sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

HISTÓRIAS GINASTICADAS

HISTÓRIAS GINASTICADAS

LEÃO E O RATO
Certo dia o rato saiu da toca correndo.(correr)
Muito assustado estava o rato pois fugia do gato preto.
No caminho encontrou o leão, levou um grande susto e começou a tremer.
(tremer)
O rei dos animais vendo o ratinho tão nervoso, não lhe fez mal nenhum
e deixou que ele seguisse seu caminho.
Um dia o leão caiu em uma armadilha e por mais que movimentasse o corpo
não conseguia sair. (movimentar o corpo inteiro). Fez força (movimento
de empurrar), rugiu furioso mas de nada adiantou.
O rato que naquele dia passava por ali, viu o desespero do amigo e resolveu
roer as cordas da rede com muita paciência.
Quando terminou estava cansado, mas muito feliz então começou a dar
pulos de alegria (saltar). Saltou tanto que começou novamente a ficar
cansado, tão cansado que mal conseguia respirar e respirava assim (respirar
bem devagar).
O leão, vendo-se livre, agradeceu ao ratinho e prometeram sr amigos
para sempre.

DORMINDO NO RECREIO
Dei esse nome a brincadeira pois os pequenos a adoram. Alunos deitados
em colchonetes (esses meus colchonetes são muitos simples e eu mesma
fiz- E aquele papelão que vem forrando geladeiras, ou outro móvel
grande. Eu forrei o papelão com TNT colorido)
As crianças deitam nos colchonetes e são convidados a dormirem. Com
a ajuda do professor vão imaginando diferentes formas de dormir:
_com cobertores pequenos, que não conseguem cobrir todo o corpo
_encolhidos
_esticados

_ com calor
_com frio
_roncando
_sonhando
_com pesadelo
_tranquilos



EXPLORANDO A TERRA
Vamos sair pelo mundo para conhece-lo melhor?
_Que lugar montanhoso! Vamos escalar essa montanha? (movimento de braços
e pernas). Muito cuidado para não cair..Ufa! Conseguimos. Que bela
vista temos daqui do alto (colocar a mão sobre a testa)
_Olhem o mar lá embaixo. Que tal nadarmos um pouco? Vamos descer com
cuidado.
_Agora vamos correr até a praia? (correr)
_Chegamos. Oba! Todos para a água...(nadar)
_ Ufa, que cansaço! Vamos descansar? (sentar)
_Vejam... conchinhas! Vamos levar algumas para casa? (flexão dos joelhos)
_Quantas pedras no chão! Vamos saltar por cima delas?(saltar)
_Vejam, uma barraquinha> Vamos chupar um sorvete!
_Estou sentido um cheirinho de cachorro quente (exercícios respiratórios)
Eu estou com fome. Vocês também? Depois de toda essa aventura, que
tal uma balinha?
(dar a cada criança um balinha com um cartãozinho de incentivo).

O GATINHO PIPO
Era uma vez um gatinho chamado Pipo.Um dia ele acordou com muita
preguiça.(esticar braços e pernas)
Mamãe gata já estava chamando e ele teve de pular da cama. Ele saiu
correndo para atender a mamãe.(correr). Saiu com tanta pressa que bateu
com o pé na mesa (pular num pé só). Depois que o pé parou de doer,
ele saiu a passear(quadrupedar) e não prestou atenção nos carros
que passavam, quase foi atropelado se não tivesse pulado para trás
(quadrupedar para trás). Pipo ficou nervoso e começou a tremer(tremer).
Voltou correndo para casa.(quadrupedar correndo) e se deitou novamente(deitar).
Pipo aprendeu a lição e agora cada vez que si a rua olha para todos
os lados(movimento do pescoço) CHAPEUZINHO VERMELHO
Era uma vez uma menina muito alegre e educada. Tinha esse nome porque
usava um gorro vermelho na cabeça. Um dia ela pediu a mamãe para levar
flores para a vovó que morava no bosque,
Andava bem depressa entre as árvores (andar em serpentina). Ela olhou
para cima e notou que havia uns passarinhos que cantavam e voavam e
começou a imitá-los (correr movimentando os braços). Chapeuzinho
Vermelho estava muito cansada e respirou fundo (respiração) Quando
Chapeuzinho levantou a cabeça, avistou em uma árvore um ninho de passarinhos.
Ela trepou na árvore.. Vamos trepar também? (fazer o movimento) Depois
ela desceu da árvore e avistou umas flores lindas. Começou a apanhá-las.
(abaixar) Que flores cheirosas! Que perfume! (exercícios de respiração).
Andando novamente, ela atravessou um córrego com muitas pedras( saltar
várias vezes),logo depois teve de cruzar um terreno cheio de espinhos,
então ela cruzou assim...(com os calcanhares). Logo adiante tinha um
rio. Ela pegou um barquinho para atravessá-lo (remar).
Quando chapeuzinho desceu do barco avistou o lobo e começou a correr
(correr). O lobo avançou para ela. Chapeuzinho pegou do chão uma porção
de pedrinhas (agachar e levantar) e começou a jogar no lobo (flexão
dos braços e pernas).
O lobo fugiu e Chapeuzinho continuou caminhando muito cansada (relaxar
os músculos-boneco de mola)
Chegou na casa da vovó que estava na porta. Então, a vovó lhe falou:
_Chapeuzinho, olha que lindo está o nosso pomar, (olhar a direita)
e veja como está bonita a pintura da casa (olhar a esquerda).
Chapeuzinho e a vovó sentaram-se na frente da casa (sentar) e começaram
a cantar a musiquinha que elas tanto gostavam. (cantar)
“Pela estrada a fora eu vou bem sozinha
Levar esses doces para a vovozinha.
Ela mora longe, o caminho é deserto
E o lobo mau passeia aqui por perto.
E a tardinha, ao sol poente, junto a vovozinha
Dormirei contente.”


A FUGA DO PALHAÇO
Era uma vez um palhacinho que estava muito triste. Ele estava cansado
de ficar no circo.
Resolveu, então, fugir para uma floresta.
Ele arrumou o cabelo e saiu muito contente pulando que nem sapo (saltar)
Na floresta haviam muitas árvores e o palhacinho ia contornando todas
elas. (zig zag)
No meio do caminho o palhacinho teve que atravessar um rio, então ele
pegou um barco e saiu remando, remando (remar sentado)
Quando chegou na outra margem ele encontrou uma enorme pedra atrapalhando
seu caminho. O palhacinho começou a empurra-la. Empurrou, empurrou
(empurrar) até que ela saiu do caminho.
Mas adiante havia uma cerca bem no lugar onde o palhacinho deveria passar.
O que foi que ele fez? Passou por baixo da cerca (rastejar)
Do outro lado da cerca havia um canguru e o palhacinho resolveu imita-lo.
(saltar como um canguru.)
Enquanto ele imitava o bichinho, avistou um passarinho e resolveu imitar
um canguru voador
( pular e bater com os braços)
Mesmo brincando, o palhacinho começou a ficar cansado. Seu pezinho
doía e ele resolveu caminhar só com o pé direito para descansar o
outro (pular com o pé direito) , depois só com o pé esquerdo (pular
com o pé esquerdo).
A noite chegava rápido e o palhacinho cansado começava a ficar com
medo. A única coisa que ele queria agora era voltar para o circo.
Ele começou então a voltar pelo mesmo caminho.
Ele contornava as árvores bem devagar pois estava muito cansado. (andar
em zig zag bem devagar), sua garganta doía e ele fazia assim (respirar
ofegante)
O sono chegava depressa e o palhacinho não conseguia manter os olhos
abertos por muito tempo (piscar).
Neste momento ele avistou o circo e começou a ouvir o riso das crianças.
O palhacinho já não se sentia mais cansado, não tinha medo nem sono.
Ele começou a respirar fundo e bem devagar, afinal ele estava em casa.
(exercício de respiração).
Era uma vez um palhacinho que estava muito triste. Ele estava cansado
de ficar no circo.
Resolveu, então, fugir para uma floresta.
Ele arrumou o cabelo e saiu muito contente pulando que nem sapo (saltar)
Na floresta haviam muitas árvores e o palhacinho ia contornando todas
elas. (zig zag)
No meio do caminho o palhacinho teve que atravessar um rio, então ele
pegou um barco e saiu remando, remando (remar sentado)
Quando chegou na outra margem ele encontrou uma enorme pedra atrapalhando
seu caminho. O palhacinho começou a empurra-la. Empurrou, empurrou
(empurrar) até que ela saiu do caminho.
Mas adiante havia uma cerca bem no lugar onde o palhacinho deveria passar.
O que foi que ele fez? Passou por baixo da cerca (rastejar)
Do outro lado da cerca havia um canguru e o palhacinho resolveu imita-lo.
(saltar como um canguru.)
Enquanto ele imitava o bichinho, avistou um passarinho e resolveu imitar
um canguru voador
( pular e bater com os braços)
Mesmo brincando, o palhacinho começou a ficar cansado. Seu pezinho
doía e ele resolveu caminhar só com o pé direito para descansar o
outro (pular com o pé direito) , depois só com o pé esquerdo (pular
com o pé esquerdo).
A noite chegava rápido e o palhacinho cansado começava a ficar com
medo. A única coisa que ele queria agora era voltar para o circo.
Ele começou então a voltar pelo mesmo caminho.
Ele contornava as árvores bem devagar pois estava muito cansado. (andar
em zig zag bem devagar), sua garganta doía e ele fazia assim (respirar
ofegante)
O sono chegava depressa e o palhacinho não conseguia manter os olhos
abertos por muito tempo (piscar).
Neste momento ele avistou o circo e começou a ouvir o riso das crianças.
O palhacinho já não se sentia mais cansado, não tinha medo nem sono.
Ele começou a respirar fundo e bem devagar, afinal ele estava em casa.
(exercício de respiração).

PROJETO DE TEATRO PODE SER REALIZADO EM FESTA DE ENCERRAMENTO, FOLCLORE OU DIA DAS CRIANÇAS

PROJETO DE TEATRO
PODE SER REALIZADO EM FESTA DE ENCERRAMENTO, FOLCLORE OU DIA DAS CRIANÇAS
TEMA: SÍTIO DO PICA-PAU AMARELO
DURAÇÃO: APROXIMADAMENTE 1 HORA.
PÚBLICO ALVO: ALUNOS EM FASE DE EDUCAÇÃO INFANTIL NA FAIXA DE 1 A 6 ANOS. PODENDO SER FACILMENTE ADAPTADO A ALUNOS DO 1º CICLO DO ENSINO FUNDAMENTAL.
PERSONAGENS:
•DONA BENTA (ADULTO)
• TIA ANASTÁCIA (ADULTO)
• REINO DAS ÁGUAS CLARAS (ALUNOS)
• ANIMAIS DO SÍTIO (ALUNOS)
• EMÍLIA (ALUNAS - MENINAS)
• VISCONDE DE SABUGOSA (ALUNOS- MENINOS)
• SACI (ALUNOS-MENINOS)
• CUCA (ALUNAS-MENINAS)
• PEDRINHO (ALUNOS-MENINOS)
• NARIZINHO (ALUNAS-MENINAS)
CENÁRIO: PAINEL PINTADO COM A CASINHA DO SÍTIO E ÁRVORES EM VOLTA, FAZER UM JARDIM DE FLORES DE BALÃO NA FRENTE DO PALCO.
CULINÁRIA: APÓS A APRESENTAÇÃO SERVIR COMIDAS TÍPICAS PARA AS FAMÍLIAS E CRIANÇAS (PÉ DE MOLEQUE, PÃO DE QUEIJO, COCADA, MILHO COZINHO, BROA DE FUBÁ).
OBJETIVOS:
• REPRESENTAR A OBRA LITERÁRIA ATRAVÉS DO ESPETÁCULO;
• AGUÇAR O IMAGINÁRIO DE ALUNOS E CONVIDADOS;
• HOMENAGEAR O ESCRITOR MONTEIRO LOBATO;
• SOCIALIZAR, INTEGRANDO RESPONSÁVEIS, ALUNOS, EQUIPE DOCENTE, DIREÇÃO E FUNCIONÁRIOS DA ESCOLA;
• REALIZAR FESTA COM BELEZA E ENCANTAMENTO.
DESENVOLVIMENTO:
ABREM-SE AS CORTINAS, DONA BENTA SENTADA NA SUA CADEIRA DE BALANÇO FAZENDO TRICÔ E TIA ANASTÁCIA NO FOGÃO A LENHA. (PODE SER FEITO DE CAIXAS DE LEITE)
(DONA BENTA) AH! COMO GOSTO DE FICAR AQUI NO SÍTIO, LEMBRANDO DAS HISTÓRIAS, DAS TRAVESSURAS DAS CRIANÇAS, DAS MALUQUICES DA EMÍLIA. ANASTÁCIA, CADÊ VOCÊ?
(TIA ANASTÁCIA) OH! DONA BENTA ESTOU AQUI PREPARANDO UM BOLO DE FUBÁ BEM GOSTOSO PARA AS CRIANÇAS, A SENHORA ME CHAMOU?
(DONA BENTA) QUERIA QUE TROUXESSE AQUELE BAÚ QUE ESTÁ LÁ NO SÓTÃO, PRECISO ACHAR UM XALE QUE ESTAVA LÁ PARA ME ESQUENTAR MAIS A NOITE, POIS PARECE QUE HOJE VAI FAZER MUITO FRIO.
(TIA ANASTÁCIA) JÁ VOU BUSCAR DONA BENTA (VAI ATÉ A COXIA E PEGA UM BAÚ, COLOCAR UM LIVRO DE HISTÓRIAS BEM GRANDE LÁ DENTRO, JUNTAMENTE COM ADEREÇOS DIVERSOS E FANTASIAS).
(DONA BENTA) NOSSA QUANTA COISA ANTIGA POR AQUI, TEM MEU CHAPÉU DE PASSEAR NA PRAIA, MINHA BOLSA DE IR ÀS FESTAS, OLHA ESSE LIVRO AQUI QUANTO TEMPO NÃO VEJO, NELE TEM A HISTÓRIA DO SÍTIO.
DANÇA DONA BENTA COM O LIVRO DE HISTÓRIAS GRANDE AO SOM DA MÚSICA “NO SÍTIO DO PICA-PAU AMARELO”
ADEREÇOS: LIVRO DE HISTÓRIAS BEM GRANDE DE ESPUMA OU EVA COM O TEXTO LÁ DENTRO PARA A NARRADORA LER O TEATRO E UMA COLHER DE PAU. O FOGÃO E A CADEIRA DE BALANÇO JÁ ESTÃO LÁ NO CENÁRIO JUNTAMENTE COM O PAINEL DE DECORAÇÃO E BALÕES.
EM TODO LIVRO DE HISTÓRIAS TEM REINO CASTELO E FADAS, DRAGÃO MALVADOS, TEM PRINCESAS ENCANTADAS, MAS EU CONHEÇO UM LUGAR TÃO CHEIO DE ENCANTAMENTO ONDE NEM UM CONTO É MAIS BELO.
UM LUGAR QUE TEM EMÍLIA TEM RABICÓ E TEM PEDRINHO, TEM A VOVÓ DONA BENTA E A GAROTA NARIZINHO, TÊM DOCES DA TIA ANASTÁCIA, E O VISCONDE DE SABUGOSA.
UM LUGAR QUE TEM MAGIA MUITO MELHOR QUE UM CASTELO VIVE A TURMA DO SÍTIO DO PICAPAU AMARELO.
ENTRAR A DONA BENTA COM O LIVRO E A TIA ANASTÁCIA COM A COLHER DE PAU NAS MÃOS DANÇANDO PELO MEIO DO PÚBLICO ATÉ CHEGAR NO PALCO. AMBAS DEVEM RODAR COM O LIVRO DE HISTÓRIAS E MOSTRAR PARA O PÚBLICO.
(DONA BENTA) HOJE VOU CONTAR UMA HISTÓRIA DIFERENTE, QUE TODA CRIANÇA SEMPRE SONHOU, COM MUNDOS DISTANTES, VIAGENS PARA O FUNDO DO MAR, TEM BONECA FALANTE, ALEGRIA E MUITA MAGIA. ERA UMA VEZ ...
UM REINO MUITO ESPECIAL DE ÁGUAS LIMPINHAS, PEIXES COLORIDOS, É VERDADE MAMÃE, PAPAIS E CRIANÇAS, UM MUNDO ONDE TUDO É POSSÍVEL, FICA BEM LÁ NO FUNDO DO MAR. NESTE REINO ENCANTADO Á VIVER É SEMPRE UMA FESTA, OS PEIXINHOS ADORAM BRINCAR ENTRE SI, E ESCONDER DAS SEREIAS NAS PEDRAS DE AREIA. COM VOCÊS O REINO DAS ÁGUAS CLARAS:
DANÇAM OS ALUNOS DO BERÇÁRIO – VESTIDOS DE PEIXINHOS AO SOM DA MÚSICA “REINO DAS ÁGUAS CLARAS” – CANTADA POR JORGE VERCILO.
ADEREÇOS: PANO AZUL PARA COLOCAR OS BEBÊS ASSENTADOS E PANO AZUL PARA BALANÇAR DANDO A IDÉIA DE ÁGUA E BOLINHAS DE SABÃO. DEVE-SE VESTIR AS PROFESSORAS COM TÚNICAS, TAMBÉM EM TOM AZUL, DANDO A IDÉIA QUE ELAS SÃO A ÁGUA. AS PROFESSORAS, ENTÃO, BALANÇAM OUTRO TNT AZUL PARA O ALTO E PARA BAIXO DANDO IDÉIA DE MOVIMENTO DE ÁGUA, BRINCANDO, ESCONDENDO E MOSTRANDO OS BEBÊS.
OBS: DURANTE A MÚSICA SOLTAR BOLINHAS DE SABÃO PARA OS BEBÊS E BALANÇAR O PANO AZUL.
(DONA BENTA) AQUI NO SÍTIO TODOS CUIDAMOS DOS ANIMAIS, PRESERVAMOS A NATUREZA E GOSTAMOS DE VIVER COM MUITO CARINHO E AMOR, TIRAR O LEITE DA VAQUINHA DE MANHÃ, PEGAR OVOS NO GALINHEIRO, TOSQUIAR A LÃ DAS OVELHINHAS, MAS TUDO COM BASTANTE CUIDADO...
ENTRAM OS ALUNOS DO MINI MATERNAL, VESTIDOS DE BICHINHOS PARA DANÇAR AO SOM DA MÚSICA: “FILHO DO FILHOTE” DE RUBINHO DO VALE.
OBS: CADA CRIANÇA DEVE LEVAR UM BICHINHO DE PELÚCIA PARA REPRESENTAR SEU FILHOTE.
(DONA BENTA) AH! COMO É BOM LEMBRAR DE TODAS AS BELEZAS QUE TEMOS POR AQUI, MAS NÃO PODIA ESQUECER DE UMA BONECA QUE FOI FEITA POR TIA NASTÁCIA É MUITO ESPEVITADA, ARRUMA CADA CONFUSÃO. (RISOS).
ENTRAM AS MENINAS DO MATERNAL DANÇANDO AO SOM DA MÚSICA EMÍLIA, A BONECA GENTE - DE BABY CONSUELO.
(DONA BENTA) E É CLARO QUE SEMPRE QUE A EMÍLIA ESTÁ POR PERTO, TEM O VISCONDE DE SABUGOSA. ELE É UM SÁBIO. NASCEU DE UM SABUGO DE MILHO E SABE CONTAR LINDAS HISTÓRIAS E FAZER MUITAS EXPERIÊNCIAS CIENTÍFICAS.
MENINAS E MENINOS DO MATERNAL DANÇAM VESTIDOS DE EMÍLIA E VISCONDE A MÚSICA TEMA DE ABERTURA DO SÍTIO DO PICA-PAU AMARELO.
(DONA BENTA) AH! MAS AQUI NO SÍTIO TAMBÉM TEMOS PERSONAGENS BEM DIFERENTES, QUE PASSAM CADA SUSTO NA GENTE E ASSUSTAM ATÉ AS CRIANÇAS. QUEM NUNCA ESCUTOU ISSO CUIDADO COM A CUCA QUE A CUCA TE PEGA E PEGA DAQUI PAGA DE LÁ, MAS ELA NÃO PEGA AS CRIANÇAS ASSIM TAMBÉM NÃO, MAS FAZ PLANOS JUNTAMENTE COM O SACI AQUELE DANADINHO DE UMA PERNA SÓ QUE ADORA APRONTAR TRAQUINAGENS COM AS PESSOAS QUE CHEGAM NO SÍTIO...
DANÇAM MENINOS E MENINAS DO JARDIM I VESTIDOS DE CUCA E SACI AO SOM DA MÚSICA “CANÇÃO DA MEIA NOITE”.

(DONA BENTA) AH! NARIZINHO É UMA DOCE MENINA, QUE TODA VOVÔ SEMPRE SONHOU EM TER COMO NETINHA, ELA SONHA COM MUNDOS ENCANTADOS E VIVE SE FANTASIANDO DE PRINCESA, ESSA MENINA ENCANTA A TODOS ONDE PASSA. COM VOCÊS A NOSSAS “NARIZINHOS”.
DANÇAM AS MENINAS DO JARDIM II VESTIDAS DE NARIZINHO AO SOM DA MÚSICA “NARIZINHO” CANTADA POR IVETE SANGALO.
(DONA BENTA) AH, MAS TAMBÉM TENHO OUTRO NETO MUITO LINDO, O PEDRINHO QUE É CORAJOSO, DEFENDE A NARIZINHO E SEMPRE INVENTA BRINCADEIRAS, ADORO PASSAR AS FÉRIAS NO SÍTIO E QUANDO CHEGA NOSSA QUE ALEGRIA CONTAGIA A TODOS AQUI COM SUA ENERGIA.
DANÇAM OS MENINOS DO JARDIM II VESTIDOS DE PEDRINHO AO SOM DA MÚSICA “PEDRINHO”CANTADA POR JOTA QUEST.
OBS: ENTRAR COM BRINQUEDOS ANTIGOS NO PALCO BRINCANDO CADA CRIANÇA COM UM: BAMBOLÊ, BOLA, CARRINHO DE ROLIMÃ, CORDA, ESTILINGUE, USAR SOMENTE BRINQUEDOS ANTIGOS BEM DIVERSOS DO TEMPO DA VOVÓ.
(DONA BENTA) ESSES MEUS NETOS SÃO ESPECIAIS, SÃO A ALEGRIA DO SÍTIO, SEM ELES NÃO TERIA A MESMA MAGIA DE VIVER POR AQUI, AFINAL DE CONTAS ÀS CRIANÇAS SÃO O FUTURO DE NOSSO MUNDO, TEMOS QUE CELEBRAR A INFÂNCIA E SER CRIANÇA É BOM DEMAIS, BRINCAR E SER FELIZ. COM VOCÊS PEDRINHO E NARIZINHO BRINCANDO DE SER CRIANÇA.
DANÇAM MENINAS E MENINOS DO JARDIM II VESTIDOS DE NARIZINHO E PEDRINHO AO SOM DA MÚSICA CARROSSEL DE ESPERANÇA.
COREOGRAFIA DE NARIZINHO E PEDRINHO JUNTOS
ADEREÇO: BOLAS DE PLÁSTICO, GRANDES E COLORIDAS.
PARTE INSTRUMENTAL: ENTRAR DANÇANDO COM A BOLA NAS MÃOS EM FILA E PARAR NO SEU LUGAR.
A VIDA É UMA CRIANÇA, UM CARROSSEL DE ESPERANÇA ( JOGAR A BOLA PARA CIMA BAIXINHO E PEGAR ELA DE VOLTA E RODAR COM ELA NO ALTO)
AMOR E PAZ É O QUE QUEREMOS (MOSTRAR A BOLA PARA DIREITA)
VENHA COM A GENTE E CANTAREMOS ( MOSTRAR A BOLA PARA ESQUERDA)
O NOSSO MUNDO É COLORIDO E COMO É LINDO, IGUAL UMA BOLA DE SABÃO, É DE ILUSÃO ( POR A BOLA NO CHÃO E RODAR PARA DIREITA EM VOLTA DA BOLA SEGURANDO COM UMA MÃO E A OUTRA LEVANTADA PARA CIMA)
NOSSO CAMINHO É FLORIDO E NOSSA VIDA TEM SABOR DE EMOÇÃO ( POR A BOLA NO CHÃO E RODAR PARA ESQUERDA EM VOLTA DA BOLA SEGURANDO COM UMA MÃO E A OUTRA LEVANTADA PARA CIMA)
VEM, VEM, VEM, VEM, VEM, VEM, VEM ( CHAMAR COM UMA DAS MÃOS E SEGURAR A BOLA COM A OUTRA MÃO APOIADA PELO BRAÇO)
VEM, EU QUERO TE MOSTRAR ( PULAR MOSTRANDO A BOLA PARA CIMA ,PARA BAIXO)
VAMOS JUNTOS CAMINHAR, CORRER, SORRIR, BRINCAR, CANTAR E PEDIR BIS ( PULAR MOSTRANDO A BOLA PARA OS LADOS DIREITO ESQUERDO)
LA LA LA LA... ( FAZER UMA FILA E RODAR USANDO O ESPAÇO DO PALCO LEVANTANDO E ABAIXANDO A BOLA ATÉ TERMINAR A PARTE INSTRUMENTAL)
(TIA NASTÁCIA) AH! DONA BENTA, QUE HISTÓRIA LINDA QUE A SENHORA CONTOU HOJE, O NOSSO SÍTIO É SEMPRE ASSIM UM LUGAR LINDO DE VIVER, CHEIO DE PAZ, AMOR, CARINHO, HARMONIA, MAGIA, HISTÓRIAS, FAZ DE CONTA E PRINCIPALMENTE UM LUGARZINHO ESPECIAL NO CORAÇÃO DE CADA UM AQUI PRESENTE QUE COM CERTEZA TEM DOCES LEMBRANÇAS DA SUA INFÂNCIA CHEIA DE LINDAS HISTÓRIAS PARA CONTAR. VAMOS CANTAR! VIVA ESSE MUNDO CHEIO DE PAZ!
________________________________________
AUTORIA DO PROJETO: MONIQUE CORRÊA SALIBA – PROFESSORA DE DANÇA, TEATRO E MÚSICA. ESPECIALISTA EM TÉCNICAS DE TEATRO INFANTIL E COREOGRAFIAS PARA EVENTOS DIVERSOS.
CONTATOS:
(31) 30771747 (31) 30771747
(31)88736553 (31)88736553
MONIQUESALIBA@YAHOO.COM.BR

A PÍLULA FALANTE

A SEGUIR O ROTEIRO DA PEÇA:
A PÍLULA FALANTE

NARRADOR – NO SÍTIO DO PICA-PAU AMARELO MORA UMA SENHORA CHAMADA DONA BENTA, VIVE AFASTADA DA CORRERIA E DO BARULHO DA CIDADE GRANDE.

(MÚSICA DO SÍTIO / ENTRA DONA BENTA)

NARRADOR - JUNTO COM DONA BENTA MORA A NEGRA TIA NASTÁCIA, QUE ADORA FAZER BOLINHOS DE CHUVA.

(ENTRA TIA NASTÁCIA, COM UMA PANELA)

DONA BENTA – HUMM! QUE CHEIRO BOM ESTE! O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO?

NASTÁCIA – ESTOU PREPARANDO ALGUNS BOLINHOS DE CHUVA.
DONA BENTA – AI QUE DELICIA!
NARRADOR – NO SÍTIO MORA TAMBÉM A NETA DE DONA BENTA, LÚCIA, MAIS CONHECIDA COMO NARIZINHO. ELA VIVE NO MUNDO DE FANTASIAS, E NÃO DESGRUDA DE SUA BONECA EMÍLIA, FEITA DE PANO PELA TIA NASTÁCIA.

(MÚSICA DA NARIZINHO)
ENTRA A NARIZINHO

NARIZINHO – VOVÓ. QUERIA TANTO QUE EMÍLIA FALASSE COMO NÓS, PARA TER COM QUEM CONVERSAR.
DONA BENTA – HAHAHA, ELA É APENAS UMA BONECA, NÃO TEM COMO ELA FALAR.
NARIZINHO – TEM SIM, QUANDO EU FUI LÁ AO REINO DAS ÁGUAS CLARAS, O DOUTOR CARAMUJO ME DEU UMA DE SUAS PÍLULAS, PARA QUE EU DESSE A EMÍLIA E ELA COMEÇASSE A FALAR.
NASTÁCIA – AONDE JÁ SE VIU BONECA FALAR, PÍLULA FALANTE, CARAMUJO SER DOUTOR, ISSO É COISA DA SUA IMAGINAÇÃO.
DONA BENTA PARA TIA NASTÁCIA – ESSA MINHA NETA TEM CADA IDÉIA, HAHAHA.

(DONA BENTA E TIA NASTÁCIA SAEM RINDO)

(DÁ A PÍLULA PARA A BONECA E A COLOCA DENTRO DA CAIXA DE COSTURA, E SENTA NO CHÃO AO LADO DA CAIXA)

(MÚSICA DA EMÍLIA – APENAS AS PRIMEIRAS ESTROFES)
(EMÍLIA SAI AOS POUCOS DE DENTRO DA CAIXA)

NARIZINHO – VOVÓ, TIA NASTÁCIA, VENHAM ATÉ AQUI, RÁPIDO!

(EMÍLIA FICA TESTANDO A VOZ)
(NARIZINHO DA UM LEVE TAPA NAS COSTAS DE EMÍLIA)

NARIZINHO – FALA EMÍLIA, FALA EMÍLIA, FALA.
EMÍLIA – ESTOU COM UM HORRÍVEL GOSTO DE SAPO NA BOCA. ECA!
NARIZINHO – UHUULLL! VIU VOVÓ, COMO MINHA BONECA PODE FALAR!
EMÍLIA – MAS QUE CARAS SÃO ESSAS? QUEM SÃO TODOS ESSES? PRA QUE TANTA GENTE? TEM FESTA AQUI HOJE, É? E VOCÊS? SABEM POR QUE ELAS ESTÃO COM ESSAS CARAS DE CORUJAS AZEDAS? QUEM SÃO VOCÊS? QUAL SEU NOME? E A SUA IDADE? VOCÊ ESTUDA? TEM Q ESTUDAR PRA FICAR TÃO INTELIGENTE QUANTO EU! E VOCÊ AI, GOSTA DO SÍTIO?

(MÚSICA EMÍLIA – REFRÃO / TODOS COMEÇAM A DANÇAR)

NARRADOR – NO SÍTIO DO PICA-PAU AMARELO TUDO É POSSÍVEL, A FANTASIA SE MISTURA COM A REALIDADE, E ASSIM, CRIANDO MUITAS AVENTURAS COM ESSA TURMINHA.

DONA BENTA – E ALGUÉM AQUI SABE ME DIZER QUEM FOI MONTEIRO LOBATO?
EMÍLIA – EU SEI É CLARO, PORQUE SOU MUITO INTELIGENTE! ELE FOI UM GRANDE NOME DA LITERATURA BRASILEIRA, NASCEU EM TAUBATÉ, NA CIDADE DE SÃO PAULO, NO ANO DE 1882.
DONA BENTA – ISSO MESMO EMÍLIA! E MONTEIRO LOBATO COMEÇOU PUBLICANDO SEUS PRIMEIROS CONTOS EM JORNAIS E REVISTAS.
NASTÁCIA – E ESTES CONTOS FORAM COLOCADOS EM UM DOS LIVROS DELE, QUE SE CHAMA URUPÊS.
NARIZINHO – MAS ELE É MAIS CONHECIDO ENTRE AS CRIANÇAS POR SEUS PERSONAGENS: EMÍLIA, DONA BENTA, TIA NASTÁCIA, E MUITOS OUTROS QUE FAZEM PARTE DO SÍTIO DO PICA-PAU AMARELO.
NASTÁCIA – NO ANO DE 1948, MONTEIRO LOBATO MORREU, MAS NOS DEIXOU ESSE GRANDE SUCESSO, ADORADO PELAS CRIANÇAS E TAMBÉM POR MUITOS ADULTOS.
DONA BENTA – E A GENTE VAI FICANDO POR AQUI, MAS DAQUI A POUCO, VAMOS TER MUITAS MAIS AVENTURAS.

(MÚSICA DO SÍTIO DO PICA-PAU AMARELO)
ESTA PEÇA FOI APRESENTADA PELO MEU GRUPO, AGRADEÇO AS MINHA AMIGAS ALINE, BRUNA E VIVIANA PELA PERMISSÃO PARA A PUBLICAGEM DO ROTEIRO.

TEATRO SITIO DO PICAPAU AMARELO

TEATRO SITIO DO PICAPAU AMARELO

– SACI ENTRA BAGUNÇA A MESA E FALA:
- EU VOU APRONTAR E BAGUNÇAR TUDINHO...... (VAI PARA O CANTINHO DO PALCO).

– TIA NASTACIA – ENTRA NA COZINHA E FALA:
- MEU DEUS ESTA TUDO BAGUNÇADO SÓ PODE SER O SACI. (COMEÇA ARRUMAR A BAGUNÇA)
NARRADOR – NASTACIA FALOU COM TIO BARNABÉ QUE CONTOU PARA PEDRINHO E ESTE FICOU BRAVO.

PEDRO – PEDRINHO ENTRA E FALA:
- EU VOU PEGAR O SACI E COLOCAR DENTRO DA GARRAFA. (SAI DA SALA).
NARRADOR – ENQUANTO ISSO NARIZINHO ANDA NO SITIO COM SUA BONECA.
– NARIZINHO – PASSEIA COM A BONECA NAS MAOS E DIZ:
- EMILIA GOSTARIA TANTO QUE VOCE FALASSE.
NARRADOR = NARIZINHO PENSA EM LEVAR EMILIA AO PRINCIPE ESCAMOSO QUE FALOU QUE O DOUTOR CARAMUJO TEM UMAS PIRULAS MILAGROSAS. ELA VAI ATRAS DO DOUTOR CARAMUJO E AO DAR AS PIRULAS PARA EMILIA ELA SAI FALANDO ATORMENTANDO TODOS DO SITIO.
ENQUANTO ISSO DONA BENTA RECEBE UMA VISITA IMPORTANTE.
TOC TOC TOC TOC
– DONA BENTA - NASTACIA!NASTACIA! VAI ATENDER A PORTA.
A NASTACIA DEVE ESTAR OCUPADA EU VOU ATENDER A PORTA. (LEVANTA E VAI FAZER QUE ABRE A PORTA E FALA)
- SR LOBATO QUE VISITA ILUSTRE!
– LOBATO : É UM PRAZER!
NARRADOR: DONA BENTA PEDIU PARA NASTACIA FAZER UNS BOLINHOS DE CHUVA.
LOBATO = DONA BENTA ESTOU QUERENDO ESCREVER MINHAS MEMORIAS E PRECISO DE SUA AJUDA.
NARRADOR = DONA BENTA FICA FELIZ POIS LOBATO VEIO AO LUGAR CERTO E PEDE QUE NASTACIA CHAME A TURMA QUE O SENHOR LOBATO ESTA NO SITIO E TODOS SE APRESENTAM:
EMILIA = BONECA DE PANO QUE GANHOU VIDA E FALA TUDO O QUE PENSA.

PEDRINHO = NETO DA DONA BENTA E PRIMO DE NARIZINHO. MENINO DE GRANDE CORAGEM, FOI O ÚNICO QUE CONSEGUIU PRENDER O SACI.

NARIZINHO = NETA DA DONA BENTA. TEM ESSE APELIDO PELO SEU NARIZ ARREBITADO.
DONA BENTA = É A DONA DO SITIO E TEM CERCA DE 60 ANOS. É UMA VOVO CARINHOSA.

NASTACIA = ALEM DE CUIDAR DA COZINHA E COZINHAR MUITO BEM ELA É UMA FAZ TUDO E UMA BOA CONTADORA DE ESTÓRIAS.

QUINDIM = RINOCERONTE QUE FUGIU DO CIRCO E FOI PARAR PERDIDO NO SITIO. É UM CRAQUE NA GRAMATICA.

SACI = MENINO DE UMA PERNA SÓ QUE FAZ MUITAS ESTRIPULIAS.

VISCONDE = BONECO FEITO DE SABUGO DE MILHO E PALHA, QUE ACREDITA NAS VERDADES ESTRITAS NOS LIVROS, É UM VERDADEIRO SÁBIO.

JOANINHA, BORBOLETA, GRILO = PERSONAGENS QUE ILUSTRAM OS LIVROS E ALEGRAM NOSSAS LEITURAS JUNTAMENTE COM A TURMA DO SITIO.

NARRADOR – NISSO ENTRA A CUCA ASSUSTANDO TODOS E DIZENDO:
– CUCA : - NÃO LEMBRARAM DE MIM!!!
NARRADOR = EMILIA FALA:
EMILIA: PORQUE DEVERIAMOS LEMBRAR VOCE NÃO TEM MEMORIA!
CUCA: VOU ME VINGAR!!!!

TERMINAMOS AS MEMORIAS DE LOBATO E SUAS HISTORIAS FICARAM REGISTRADAS NOS LIVROS QUE NOS FAZEM VIAJAR ATE OS DIAS DE HOJE. (ENTRA AS CRIANÇAS CADA UM COM SEU LIVRO).
NASTACIA = EU VOU PREPARAR BOLINHOS DE CHUVA!

TODOS= OBA!!!
# desconheço autoria

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Criança precisa ser criança

Criança precisa ser criança


O papel dos pais na educação
Lembro-me de quando eu era menina e brincava imitando ser adulta. Usava o sapato alto de minha mãe ou de minhas irmãs bem mais velhas, já adultas, e alguns de seus vestidos, quanto mais compridos, melhor, quanto mais brilhantes e de festa, melhor ainda. É claro que apenas alguns estavam disponíveis para essas brincadeiras, mas eu ficava encantada com a possibilidade. Minhas amigas, igualmente. Vez ou outra podíamos contar com um irmão de amiga (meu irmão era mais velho e já não aceitava esse tipo de brincadeira) para vestir um paletó de meu pai que cobria quase que totalmente aqueles “gambitos” cheios de marcas rochas nas canelas de jogar futebol. Às vezes comentávamos algo como: Ah! Será que um dia meu pé vai crescer tanto assim para caber nesse sapatão? Era uma delícia pintar a boca com o batom vermelho “roubado” da gaveta da penteadeira do quarto do casal.
Hoje, as crianças não vestem o salto da mãe, será porque seus sapatos já têm salto? Não vestem os modelos da mãe, será porque suas roupas são idênticas às da mãe? As mães trazem suas filhas ao meu consultório e elas estão, com freqüência, igualmente vestidas. Coincidência? Por que será? Muitas vezes essas crianças já vêm com batom na boca aos seis anos de idade, e não estão “oficialmente” fantasiadas.
Naquela época não havia dúvida. Crianças eram crianças, pais mandavam e as crianças obedeciam. Pais eram responsáveis pela manutenção da casa, da família, eram os provedores. As crianças eram os aprendizes, os que precisavam ser cuidados e protegidos.
Quando tive filhas há vinte e cinco anos atrás, tive a oportunidade de assisti-las em brincadeiras semelhantes, como teatro, casamento, cabaninha etc. Nessa época ainda não estávamos informatizados como agora, a geração de pais ainda cultivava nos filhos o gosto pelas brincadeiras, digamos, artesanais e de rua que tinham vivenciado quando crianças.

Ainda, nesta época, é possível perceber resquícios da geração anterior, quando as crianças tinham um lugar garantido, podiam ser crianças e tinham de fazer coisas de crianças. Os pais ainda sabiam colocá-las no devido lugar. Tinham hora para dormir, somente alguns programas de TV podiam ser assistidos, tinham hora para lição, tinham que cumprimentar as pessoas, dizer obrigado, bom dia, boa tarde, nem pensar em responder ou xingar os pais e assim por diante.
No entanto, com o passar dos anos, mudanças foram acontecendo, os pais ficaram um pouco confusos sobre o seu papel junto às crianças. Pelo temor do autoritarismo passaram a afrouxar as regras de tal modo que crianças passaram a mandar, comandar, determinar, e muitas vezes escravizar os pais. Crianças e pais, nem todos, é verdade, mas muitos, ficaram sem um papel social definido, sem norte.
A violência urbana que promove o confinamento, as facilidades da informatização que estimulam o cérebro e incentivam o sedentarismo, ao lado de outros aspectos, têm propiciado em nosso país uma expressiva amostra de crianças obesas, medrosas, deprimidas, sensualizadas etc.
As crianças assistem muita TV, incluindo programas que não são apropriados como, por exemplo, as novelas, que os pais não conseguem proibir, ou porque não estão em casa no horário e a empregada “precisa” assistir então a criança assiste junto ou porque os pais não têm força diante da reivindicação contundente dos pequenos, ou ainda porque não têm noção do que devem selecionar para os filhos.
As crianças estão carregadas de atividades obrigatórias, porque os pais não as ajudam a fazer escolhas, porque estão ocupados, sem tempo para acompanhá-los e é melhor mantê-los em atividades do que sozinhos em casa com empregados. Em conseqüência, as crianças não sabem mais se entreter consigo mesmas, não sabem o que fazer dentro de casa a não ser ver TV e jogar no computador. Não se relacionam com os familiares, ou pouco. Quando saem com a família vão a restaurantes, bancos, supermercados, casa dos avós. Raramente os programas são sob medida e exclusivos para as crianças.
Quando a família se reúne para o jantar, as crianças não agüentam conversar nem permanecer à mesa por muito tempo, assim como os adultos. Para a criança, logo o papo torna-se chato e quer sair da mesa. Os pais se irritam porque querem estar com os filhos, mas também não sabem como tornar a situação atraente. Ficam sentidos, acham que os filhos são mal agradecidos, que estão isolados, que não dão importância à família. Nem percebem, no entanto, que esperam demais dos pequenos. Quando se sentam à mesa logo ficam chamando a atenção para tirar o cotovelo da mesa, mastigar com a boca fechada, pegar direito no garfo, bronca por isto, bronca por aquilo... e um momento que poderia ser gostoso torna-se um verdadeiro inferno.
Pais precisam ensinar, mas não têm o direito de fazer disto uma tortura. Não adianta em todos os dias do jantar ficar brigando porque o filho come de boca aberta. Se os pais tornarem o jantar um inferno todos os dias, certamente o filho não terá o menor interesse em tornar-se melhor para o próximo jantar. Ensine uma vez, duas, incentive, deixe passar algumas vezes para tornar agradável aquele momento. Converse em outra situação. Criança faz bagunça mesmo, demora para aprender.
Um exemplo é o aprendizado da lição de casa. Aprender a responsabilizar-se e dar conta da lição de casa é um processo que demora alguns anos. Os pais acham que ensinam uma vez quando a criança está na primeira série (ou na pré- escola) e a criança já tem que ter aprendido. Isto não é possível. Isto tem tudo a ver com ser criança. Ser criança é ter tempo de aprender. Aprender é um processo. Não é feito em apenas um ato.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

DIA DO LIVRO

Lixo,sabendo reciclar pode-se usar.

Projeto

1.Título: Lixo,sabendo reciclar pode-se usar.
2. Tema transversal: - Ética
- Saúde
- meio ambiente
3. Justificativa: Através do estudo sobre o meio ambiente sensibilizar as crianças sobre os problemas ambientais e o quanto eles estão alterando e desequilibrando o nosso ambiente com poluição e degradação.
4. Conhecimento prévio: Apresentar para os alunos um cartaz com imagens de degradação do meio ambiente e outro de preservação e em seguida cada aluno dará sua opinião para iniciarmos o projeto.
5. Objetivo: - Levantar aspectos ecológicos referentes à água, ao ar e ao solo, coletando dados a respeito do ambiente que nos cerca.
- Trabalha o respeito para com a natureza e para consigo mesmo, identificando as situações que causam danos ao meio ambiente.
- Sensibilizar a comunidade sobre a importância da coleta seletiva do lixo e conhecer técnicas de reaproveitamento do lixo e dos alimentos.
- Demonstrar que a reciclagem pode trazer inúmeros benefícios e atuar para que a educação ambiental faça parte do cotidiano da escola e da comunidade.
- Despertar a conscientização sobre a preservação e da necessidade de reaproveitamento do lixo
- Levar o aluno a desenvolver sua criatividade, utilizando materiais descartáveis.
6. Conteúdo: Matemática, Português, Artes, ciências, Geografia, história.
7. Metodologia: Pesquisa, Caça-palavras, Colagens, Visitas a Parques Ecológicos,Produção de texto.
8. Período de duração: 20 a 25 dias.
9. Público Alvo: 3º e 4° serie do E. F.
10. Detalhamento das ações:
• Após a apresentação dos cartazes sobre o meio ambiente faremos a leitura de uma poesia sobre o tema, verificando assim o interesse e o conhecimento sobre o assunto com os alunos.
• Pesquisar o que é extinção e quais animais estão ameaçados.
• Coletar informações sobre a qualidade da água de nossa cidade.
• Realizar uma visita ao parque natural para observar plantas, solo, árvores, verificando se há cartazes sobre a conservação do parque.
• Montar um jornal na escola com notícias sobre as agressões ao meio ambiente (notícias pesquisadas em jornais, revistas e tv)
• Realizar uma cruzada ecológica fazendo um passeio pelo bairro, observando destruição de canteiros, lixo jogado nas ruas, pichações, a ao final do passeio descrever através de um relatório o que foi observado.
• Dividir a sala em grupos para realizar pesquisas sobre o que degrada o meio ambiente: desmatamento, poluição dos rios, do ar, e visual.
• Comparar um aquário com plantas aquáticas com água limpa, com outro aquário em condições contraria e escrever o que foi observado.
• Confeccionar mural com dicas ecológicas:arborizar sua rua, bairro, não pise na grama, regue o jardim , seja consciente cuide do meio ambiente etc.
• Criar um livro com a participação de toda a classe, com textos e desenhos mostrando como é o ambiente da escola, com relação aos cuidados com o lixo .
• Pedir para que os alunos escrevam bilhetes, dizendo o que faz para colaborar com a limpeza do planeta, para ser afixado em mural.
• Criar um mural educativo que acolha sugestões para diminuir a quantidade de lixo na escola, na hora dos intervalos de aula ou mesmo durante ela.
• Pesquisar sobre o órgão que cuida do lixo de nossa cidade e qual o trabalho desenvolvido sobre o lixo.
• Realizar caça-palavras e cruzadinhas sobre o tema desenvolvido (segue anexo).
• Realizar entrevista com um morador mais idoso da comunidade, para que ele fale das espécies de vegetação e animais da região que hoje são raros encontrar.
• Fazer uma pesquisa sobre reciclagem e qual o beneficio da mesma e em seguida fazer um debate sobre como implantá-la na escola.

Aproveitar e utilizar materiais recicláveis nos conteúdos:

Matemática:utilizar embalagens vazias, tampas de garrafas pet, latas de refrigerantes para trabalhar: conjuntos, adição, subtração, multiplicação. Problemas, trabalhando sistema monetário.

Português:Formar frases com as marcas de embalagens trazidas pelos alunos.Produzir texto com o tema ”se eu fosse uma garrafa pet”.
Em grupo produzir propagandas sobre determinado produto (embalagem trazida pelos alunos).

Ciências:Pesquisar sobre o tempo de decomposição gasto para cada tipo de material. Utilizar copinhos de iorgute para plantar feijões ou sementes de girassol para serem observados para futuro relatório.
Conhecer doenças transmitidas por insetos que vivem em lixos mal-acondicionados. Debate sobre maneiras de acondicionar o lixo em suas residências.

História:Discutir os problemas criados com aterros sanitários, contaminações e poluição das águas. Aumento da população das cidades e o acúmulo de lixo nas ruas das cidades.

Geografia: Debater o que fazer para conscientizar as pessoas a não jogarem lixo nos rios e ruas. O que fazer para que as ruas de nosso bairro fiquem mais limpas.

Artes: Utilizar diversas embalagens para confeccionar objetos para serem colocados em exposição. Confeccionar cartaz com fotos sobre lixo e poluição.
Realizar colagens com elementos da natureza, folhas, flores, gravetos, sementes, etc.
• Implantar na escola um concurso para limpeza da escola, onde os alunos deverão criar símbolos ou frases para este concurso.
• Implantar também a coleta seletiva de forma que ela seja estendida às residências dos alunos.
Ao final do projeto realizar exposições, com objetos confeccionados com materiais descartáveis , apresentar os murais e pesquisas para os pais de forma que eles também se conscientizem da necessidade de cuidar do meio ambiente.
Confeccionar um cartaz para colocar nesta exposição mostrando os aspectos importantes da reciclagem: diminui a poluição das cidades;diminui o espaço para aterros, pois o volume de lixo diminui;fornece matéria-prima para a industria;proporciona um meio de vida a muitas pessoas, etc.
Fechar a exposição com a distribuição de cartões realizada pelos alunos aos visitantes da mesma SEJA CONSCIENTE, CUIDE DO MEIO AMBIENTE.

Bibliografia:Ciências- O meio ambiente
Autor: Carlos Barros
Wilson Roberto Paulino
Editora: àtica

Enciclopédia Encarta- Microsoft



Rosemeire Dantas

ARTISTAS EM FORMA DE PROJETO

ARTISTAS EM FORMA DE PROJETO


Maria Clarete Bueno Silveira Pires de Almeida
Sandra Lembo Fernandes Martinez

“Artistas em Forma de Projeto” propõem um ensino mais significativo, que através do conhecimento global, leva o aluno a trabalhar a sensibilidade (agressividade e violência), criando uma consciência mais crítica da sociedade em que vive.
Esse projeto é o resultado de uma prática de trabalho, que foi procurar na teoria, através de pesquisas, os conhecimentos que fundamentam a utilização da imagem como possibilidade de ensino aprendizagem, usando como recursos as obras de artes dos artistas plásticos Cândido Portinari e Claude Monet.
Projeto favorece a organização do trabalho didático, integrando diferentes propostas curriculares. Pode ser utilizado em momentos específicos, envolvendo mais de um professor ou disciplina, ou mesmo, realizar-se dentro de uma única disciplina.
A organização dos conteúdos em torno dos projetos, neste caso “artistas plásticos”, favorece a compreensão da multiplicidade de aspectos que compõem a realidade, possibilitando a articulação de diversos campos do conhecimento. Os professores planejam uma série de atividade com uma meta estabelecida, de tal forma que ao final, os alunos adquiram uma atitude reflexiva.
“ARTISTA EM FORMA DE PROJETO” vai mostrar um estudo que pode ser feito por alunos de Educação Infantil e Ensino Fundamental (1ª à 4ª série), e sua realização tem como objetivo, fazer com que as crianças despertem o interesse pela arte, tornando-se um indivíduo mais sensível (trabalhar com a emoção), e também com que ela perceba as diferenças que existem entre alguns artistas como: escola, técnica de pintura utilizada, material disponível da época, diferentes culturas, política...
Fazem parte desse projeto os artistas Cândido Portinari e Claude Monet.

1) Projeto Cândido Portinari

Este projeto está sendo desenvolvido com os alunos de educação infantil de uma escola particular de Sorocaba, devido a comemoração do centenário de nascimento do grande artista Cândido Portinari. As atividades propostas são trabalhadas em todas as áreas de estudo, através de material elaborado pela coordenação da escola e também sugestões dadas pela professora de Artes. Cada fase trabalhará uma tela de acordo com o esquema apresentado:

Mini e Maternal – O Circo

- O que é um circo
- Como surgiu
- Quais são os mais conhecidos
- Do que é feito
- Quem trabalha no circo
- Qual é a função do circo
- Por que Portinari fez essa tela

Sugestão de música para a apresentação: Palhaço / Circo

Infantil I – Bumba-meu-boi

- O que é um boi
- O que ele nos dá
- Onde vive
- Como é
- O que come
- O que é um bumba-meu-boi
- Como surgiu
- Onde tem
- Para que serve
- Como é
- Por que Portinari fez essa tela

Sugestão de música para a apresentação: Bumba-meu-boi (festas nordestinas)

Infantil I e II – Espantalho

- O que é um espantalho
- Do que é feito
- Para que serve
- Onde podemos encontrar
- Por que Portinari fez essa tela

Sugestão de música para a apresentação: Espantalho (Telma Chan)

Infantil II – O Mulato

- Mostrar as diferentes raças (negro, branco, mulato...) – trabalho com o pintinho ou rosas
- Pesquisar qual é a raça do aluno
- Mostrar que não deve existir o preconceito
- Mostrar os diferentes costumes que cada raça tem
- Mostrar as diferentes características físicas, mas que devemos respeitar
- Por que Portinari fez essa tela

Sugestão de música para a apresentação: Música criada pela própria professora

Infantil III – (Café)

- O que é
- Para que serve (bolo, café, tortas...)
- De onde vem (plantação) - fazenda
- Como se planta
- Como é o pé
- Como é o grão
- Mostrar o processo (grão, torrado, moído e por último coado)
- O que é fazenda
- Onde ficam as fazendas
- Quem são as pessoas que trabalham nas fazendas
- Por que Portinari fez essa tela

Sugestão de música para a apresentação: Música do Café (festa junina)
Infantil III – (Os Retirantes)

- Quem são
- Onde moram
- Por que se retiraram da sua cidade (fome, a miséria)
- O que eles querem encontrar no outro local
- Será que realizam seus desejos quando se retiram para outros lugares (luta constante)
- Ver se conhecem alguém que já fez isso
- Normalmente esse povo é nordestino. Quais são as maiores dificuldades que encontram lá?
- Por que Portinari fez essa tela

Sugestão de música para a apresentação: Música Asa Branca


Além dessas atividades, os alunos tiveram contato com os livros paradidáticos e também assistiram a peça de teatro “O Candim” que retrata a vida do artista em questão.


2) Projeto Claude Monet

Foi concluído já alguns anos com os alunos de educação infantil dessa mesma escola particular de Sorocaba. Como houve uma devolutiva muito interessante por parte das crianças que participaram, estamos retomando agora com os alunos de 1ª a 4ª série. As atividades propostas estão sendo trabalhadas em todas as áreas de estudo, através de material elaborado pelas professoras.

Sugestões de atividade

a) História e Geografia
- levantamento da biografia do artista / linha do tempo
- cidade natal (localizar no mapa)
- país de origem (diferenças, costumes...)

b) Português
- produção de texto
- interpretação de texto
- jogral
- livros paradidáticos

c) Artes
- releitura das obras
- reprodução das obras
- confecção de peça de teatro

d) Música
- composição em grupo de uma música ou rap

e) Informática
- Cd Room

f) Matemática
- situações problemas que envolvem o tema
g) Ciências
- estudo com plantas

h) Apresentação de fotos e fita de vídeo com algumas atividades que os alunos tiveram aqui na escola.

domingo, 11 de dezembro de 2011

O CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A Educação Infantil é considerada a primeira etapa da Educação Básica, tendo como finalidade o desenvolvimento integral da criança até seis anos de idade.
Tem como objetivo desenvolver a criança em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social. Deve cumprir duas funções indispensáveis e indissociáveis: cuidar e educar.
A Educação Infantil exerce grande e definitiva influência na formação social e pessoal da criança, numa perspectiva de educação para a cidadania que se reflete na qualidade de formação do ser humano que interage ativamente no meio em que vive.

O CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A Educação Infantil possui um currículo diferenciado, cuja versão experimental chegou às escolas a partir do ano 2000. Atualmente está sendo reelaborado, mediante as avaliações enviadas pelas escolas.
Baseado nos Referenciais Curriculares Nacionais, o Currículo da Educação Infantil, é orientado por meio de eixos, a saber: a formação pessoal e social e conhecimento de mundo. Constam também, do referido documento, orientações a cerca do perfil do educador, da convivência com crianças de 0 a 6 anos, da pedagogia de projetos, da importância da brincadeira, da ética, dos valores e das atitudes e do processo de avaliação.

A Educação Infantil tem como objetivo desenvolver seus aspectos físico, psicológico, intelectual, social, complementando a ação da família e comunidade.
E deve cumprir duas finalidades fundamentais criar e educar. Contemplando em sua totalidade adoção de políticas enraizadas de forma a superar a idéias fragmentadas compartilhadas das áreas educativas, favorecendo a construção de práticas que respondam as demandas da criança e de seus familiares.
A implementação do trabalho educativo deve considerar as constantes mudanças na conjuntura mundial, como a globalização e a informatização dos meios de comunicação que tem trazido uma serie de reflexões sobre o papel da Escola dentro desse novo modelo de sociedade.
Uma proposta educativa precisa considerar que, durante o seu desenvolvimento, a criança passa por diferentes etapas, diferentes formas de pensar e de agir, que caracterizam suas relações com o mundo físico e social. A ordem em que as etapas se sucedem é a mesma, porém a idade em que ocorrem varia segundo cada individuo.
Diferentes ritmos constituem uma maneira sadia de crescer.
Por meio das relações com o outro, a personalidade vai sendo construída gradativamente; portanto, a Educação Infantil exerce grande e definitiva influência na formação pessoal e social da criança, numa perspectiva de educação para a cidadania que se reflete na qualidade de formar do ser humano que interage ativamente no meio em que vive.
Essa criança possui uma identidade própria e exige uma educação que a respeite como ser em desenvolvimento e no vir a ser, e prepará-lo para saberes futuros.
Numa perspectiva de educação para a cidadania, o Currículo deve possibilitar o alcance de todos objetivos básicos na Educação Infantil.
Construção da identidade e da autonomia.
Interação e socialização da criança no meio social, familiar e escolar.
Ampliação progressiva dos conhecimentos de mundo.
A educação formal favorece a utilização de tais saberes na aquisição de novos conhecimentos, isto é, a partir de estruturas já construídas, a criança assimila e interage com o meio.
O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA DE 3 A 6 ANOS

O desenvolvimento de uma criança não se processa de forma linear. Durante seu crescimento, ela experimenta avanços gradativos, vivenciando de forma singular todas as fases desse processo. Numa diversidade de ritmos, possui uma natureza única que a caracteriza como um ser que sente e pensa o mundo de um jeito muito próprio. É importante frisar que as crianças se desenvolvem em situações de interação, nas quais conflitos e negociações de sentimentos, idéias e soluções são elementos indispensáveis.
A relação com os adultos, com seus pares e com o meio em geral é importante para que ela possa construir pouco a pouco sua identidade.
A criança, como todo ser humano, é um sujeito social e histórico e faz parte de uma organização familiar que está inserida em uma sociedade, com uma determinada cultura, em um determinado momento histórico.
É profundamente marcada pelo meio social em que se desenvolve e também o marca. A criança tem na família, biológica ou não, um ponto de referência fundamental, apesar da multiplicidade de interações que estabelece com outras instituições sociais. Na instituição de Educação Infantil, a interação do grupo acontece de forma diversificada, significativa e amplamente compartilhada entre educandos e educadores.
Essa criança está agora na sua melhor fase de desenvolvimento físico, emocional e cognitivo; ela atua e interage com o universo que a cerca, de forma a tirar dele o máximo de conhecimento possível; por isso a atenção ao seu desenvolvimento é importante, para que não se queimem etapas e nem a criança fique aquém do seu real potencial de aprendizagem.
Nessa faixa etária, o processo de construção do conhecimento se dá por meio das conquistas realizadas na busca de novos desafios, que servem de base para novos saberes, utilizando-se das mais diferentes linguagens, exercendo a capacidade que possuem de terem idéias e hipóteses originais sobre tudo e sobre todos.
Sem desafios à altura de suas necessidades e potencialidades, a criança definha, murcha; torna-se medíocre, agressiva e violenta ou apática e submissa; desperdiça-se.
É preciso que os profissionais da Educação Infantil estejam atentos a essa criança, compreendendo e reconhecendo o seu jeito particular de ser e de estar no mundo, identificando seus desejos, necessidades e particularidades.
Considerando as individualidades dessa faixa etária e as formas específicas que cada criança utiliza para aprender é que o processo de escolarização formal se efetiva de forma a contemplar o desenvolvimento global desse ser.
Segundo Piaget, a criança de 3 a 6 anos de idade encontra-se no período pré-operatório.
A criança pré-operatória é a criança típica da Educação Infantil. Uma característica desse período que merece destaque é o egocentrismo, que não deve ser confundido com egoísmo.
A criança desse período dá existência real ao que não é real, o que é chamado de realismo.
Outra característica nesta etapa é a não conservação das propriedades físicas do objeto, como quantidade, peso e volume. Para a criança, ao mudar a forma do objeto, muda-se suas propriedades físicas, ou seja, a sua inteligência ainda não é capaz de corrigir distorções perceptivas.

BRINCADEIRAS A SEREM DESENVOLVIDAS EM SALA DE AULA

Brincar é uma das atividades fundamentais para o desenvolvimento da identidade e da autonomia. Nas brincadeiras as crianças podem desenvolver algumas capacidades importantes, tais como a atenção, a imitação, a memória, a imaginação.A fantasia e a imaginação são elementos fundamentais para que a criança aprenda mais sobre a relação entre as pessoas, sobre o eu e sobre o outro.
Brincar funciona como um cenário no qual as crianças tornam-se capazes não só de imitar a vida como também de transforma-la.
Ao brincar de faz-de-conta, as crianças buscam imitar, imaginar, representar e comunicar de uma forma especifica que uma coisa pode ser outra, que uma pessoa pode ser uma personagem, que uma criança pode ser um objeto ou um animal, que um lugar faz-de-conta que e outro.
Quando utilizam a linguagem do faz-de-conta, as crianças enriquecem sua identidade, porque podem experimentar outras formas de ser e pensar, ampliando suas concepções sobre as coisas e pessoas ao desempenharem vários papéis sociais ou personagens.
Seguem algumas sugestões de atividades que podem ser desenvolvidas em sala de aula:
Corrida da Assinatura:
Formar duas equipes.Depois colocar as equipes em duas fileiras distintas.
Regras: Ao sinal dado pelo coordenador, as duas primeiras crianças saem correndo e fazem a letra inicial de seu nome na lousa, e corre até o final da fila, ganha o jogo a equipe que terminar primeiro. Objetivo:
• Trabalhar em equipe
• Desenvolver a linguagem oral e escrita.

Saco de Letras
Formar duas equipes. Colocar o alfabeto de letras móveis em um saco ou caixa de papelão.
O coordenador da brincadeira pega uma letra e esconde. Fala para as equipes adivinharem que letra ela pegou, a equipe que acertar será anotada na lousa, 1 ponto, ao final quem fizer mais pontos ganha o jogo.
Objetivo:
• Desenvolver socialização, linguagem oral e escrita, matemática e português.
Jogo do Amarra e Desamarra
Formar duas equipes. Cada equipe faz uma fileira e amarra-se dois barbantes, fazendo-se um laço em um ponto fixo, à frente das filas. A um sinal dado pelo coordenador, as duas primeiras crianças correm e vão desamarrar o barbante. Feito isso voltam para o final da fila. Os dois seguintes irão ter que amarrar o barbante e assim sucessivamente. Vence a equipe que terminar primeiro.
Objetivo:
 Desenvolver socialização, coordenação motora e trabalho em equipe
Montanha de Sapatos
Formar duas equipes. Todos tiram os sapatos e colocam-se em um lugar fazendo uma montanha, fica a uma certa distancia. A um sinal dado pelo coordenador as equipes correm para colocarem os sapatos e amarrarem voltando para o mesmo lugar de onde saíram. Ganha o jogo a equipe que voltar primeiro.
O PERFIL DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL

O trabalho direto com crianças pequenas exige que o professor tenha uma competência polivalente. São instrumentos essenciais para a reflexão sobre a prática direta com as crianças:
 Observação;
 Registro;
 Avaliação

A observação das formas de expressão das crianças, de suas capacidades de concentração e envolvimento nas atividades, de satisfação com sua própria produção e com suas conquistas é um instrumento de acompanhamento do trabalho que poderá ajudar na avaliação e no replanejamento da ação educativa.
Para que as observações não se percam e possam ser utilizadas como instrumentos de trabalho, é necessário que sejam registradas. Cabe ao professor decidir quais serão as prioridades de registro para que posteriormente possa haver, se necessário, uma intervenção. Deverá para isso escolher o melhor método para seus registros.

No que se refere à avaliação formativa, deve-se ter em conta que não se trata de avaliar a criança, mas sim as situações de aprendizagem que foram oferecidas. Isso significa dizer que a expectativa em relação à aprendizagem da criança deve estar sempre vinculada às oportunidades e experiências que foram oferecidas a ela.
As ações do docente devem ser planejadas e compartilhadas com seus pares e outros profissionais da instituição, pode-se construir projetos educativos de qualidade junto aos familiares e as crianças.
A nova dinâmica da Educação Infantil tem exigido do educador uma visão ampla do processo de aquisição do conhecimento e do desenvolvimento das relações estabelecidas nas interações sócio-culturais.
Conhecer novas teorias e articulá-las entre si é de fundamental importância para que possam ampliar e aprofundar o saber e reconstruir a prática pedagógica de forma crítica e criteriosa, numa busca constante de significados. Na concepção sócio-interacionista, o educador é muito mais que uma pessoa que ensina, ele é um participante do processo de construção da cidadania e do conhecimento.
A eficácia na área pedagógica exige amorosidade, criatividade, respeito, ética, justiça, diálogo e solidariedade nas relações da comunidade escolar, demonstrada por meio da prática educativa. Pois a visão hierarquizada de cuidar e educar precisa ser superada, uma vez que ambas partilham de igual importância para o desenvolvimento da criança, num trabalho cooperativo em um ambiente facilitador da criatividade e da descoberta. O professor, como facilitador, deve desenvolver sua sensibilidade e seu senso crítico, para observar e saber o melhor momento de fazer intervenções positivas. A fim de propiciar melhor interação com o conhecimento de alunos e professores.
Uma imagem positiva que se poderia ter do educador seria daquele que pergunta, encoraja a criança a dizer o que pensa, propiciando, espaço e tempo para que ela coordene pontos de vista diferentes. E se espera que a criança relacione os novos conhecimento com os que já possui, aceitando o erro como hipótese a ser testada e conseguindo descentrar dos seus pontos de vista e podendo imaginar o que se passa nas cabeças de seus alunos.
Essa postura do professor promoveria e implicaria, considerar o processo de aprendizagem de tal forma que articularia consistentemente as dimensões humana, técnica e político-social da criança.
O professor deve ser, antes de tudo, um estudante, pois a visão de quem aprende é sempre mais ampla e deve saber que a crianças nos primeiros cinco, seis anos de idade constrói as bases da sua personalidade.
A significação social da infância englobando a própria análise de suas representações (sobre a criança), o papel do professor, o processo de aprendizagem e os sistemas pedagógicos e seus ideários determinar em última análise o processo de aprendizagem formal estabelecido na Escola.
JULIA ROCHA

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Projeto Folclore (Literatura de Cordel)

Projeto Folclore (Literatura de Cordel)

Peça: O vaqueiro que não sabia mentir

PERSONAGENS
Fazendeiro 1 - Pedro ( muito rico e orgulhoso)
Fazendeiro 2 - Antônio ( mal e invejoso)
Vaqueiro do fazendeiro 1 - Sebastião ( confiável, não sabia mentir)
Filha do fazendeiro 2 - Marina ( sensível e bonita)
Boi Barroso ( forte, bonito e valioso)

CENÁRIOS
Fazenda 1
Fazenda 2
Pasto

Narrador (a)
Era uma vez um fazendeiro muito rico chamado Pedro que tinha dois orgulhos: seu boi Barroso – o maior, o mais forte, o mais bonito, o animal mais valioso da região. O outro era seu vaqueiro que não sabia mentir. Ele confiava tanto neste vaqueiro que o deixava tomando conta de seu boi Barroso. E assim falava a todos de seus dois orgulhos.

FAZENDA 1 - Um dia, o fazendeiro vizinho de nome Antônio, um sujeito muito malvado e invejoso foi visitar Pedro. Fez uma aposta de um saco cheio de dinheiro que o vaqueiro Sebastião iria contar uma grande mentira. Pedro aceitou a aposta.

FAZENDA 2 - Mas Antônio tinha uma idéia na cabeça. Chamou sua filha Marina que era uma flor de tão linda. Contou o seu plano. A moça não aceitou. Mas o fazendeiro era mau e de tanto insistir e maltratar a filha que não houve jeito: Marina teve que participar do plano do pai.

PASTO –
1º DIA: Um dia Sebastião estava no pasto com o boi Barroso e apareceu marina toda faceira, cheirosa com um vestido de flores do campo. O vaqueiro achou a moça muito bonita e os dois conversaram.

2º DIA: Passou o tempo. A moça apareceu de novo com um vestido de conchas do mar. Os dois conversaram e se abraçaram.

3º DIA: Passou o tempo. A moça apareceu de novo, veio toda cheirosa usando um vestido com estrelas do céu. O vaqueiro achou Marina à moça mais linda do que tudo. O vaqueiro estava apaixonado pela moça. Naquele dia os dois namoraram o dia inteiro. Na despedida marina pediu uma prova de amor: a morte do boi Barroso. Sebastião disse que ela pedisse tudo menos isto. Mas a moça só queria saber da morte do boi como prova de amor. O moço examinou a moça e balançou a cabeça. Depois, puxou a peixeira da cinta e matou o boi Barroso ali mesmo. A moça foi embora.

FAZENDA 2 – Marina chegou a casa chorando. Contou tudo ao pai. O malvado caiu na gargalhada.

FAZENDA 1 – No dia seguinte Antônio foi visitar Pedro pedindo o saco de dinheiro da aposta. Sem entender Pedro mandou chamar Sebastião. O moço veio de cabeça baixa e chapéu na mão. O fazendeiro malvado só ria e pensou que dessa vez o vaqueiro ia mentir. Mas Sebastião puxando uma viola cantou:



Eu estava no meu canto
Uma flor saiu do chão
Cresceu e fez um pedido
Que rasgou meu coração

Pediu que eu matasse o boi
Aquele fabuloso
Aquele bicho jeitoso
O famoso boi Barroso

Eu disse que não podia
E ela disse que queria
Eu disse que não devia
Ela fez que não me ouvia

E disse mais, meu senhor,
Veio pra perto e falou
Queria sentir firmeza
Certeza do meu amor

Eu amava de verdade,
Sentia amor pra valer
Mas se amor é invisível
O que eu posso fazer?
Pra provar que ele existia
Mostrar que tamanho tinha
Cometi uma maldade
Foi crime, foi culpa minha

Eu matei o boi Barroso
Aquele boi amoroso
Aquele bicho manhoso
Aquele boi precioso

Fiz loucura àquela hora
Por estar apaixonado
Se errei, eu pago agora
Mereço ser castigado.

O dono do boi ficou louco da vida. O vizinho ficou de queixo caído porque o vaqueiro não mentiu. Foi quando surgiu a moça. Veio toda cheirosa, usando vestido branco. Disse que estava arrependida. Chorou e contou a verdade. Disse que tinha feito tudo obrigada pelo pai. Ao ouvir isso, o vaqueiro ficou tristonho. Mas a moça continuou. Disse que agora estava apaixonada e queria casar com ele. O fazendeiro malvado pagou a aposta e foi expulso da fazenda, prometendo deixar a sua filha casa com o vaqueiro. Pedro perdoou Sebastião por matar o boi Barroso e deu de presente de casamento o saco de dinheiro ganho na aposta.


Bibliografia: Azevedo, Ricardo. Bazar do Folclore: tradição popular. São Paulo: Ática, 2001. P.47 – 49.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

PROJETO Minha Turma

Minha Turma

Justificativa: As brincadeiras possibilitam as crianças, não só as relações interpessoais e a integração entre o grupo, como também a descoberta de si próprio e do outro. Dessa forma, através das mesmas, estarão percebendo de maneira prazerosa a importância do auto-conhecimento, da valorização de seus sentimentos e de suas atitudes dentro da sociedade.

Objetivo Geral: Reconhecer sua identidade psicossocial, seu corpo e através da exploração das habilidades motoras, físicas e perceptivas, desenvolver a conscientização a respeito dos aspectos relativos a uma auto-imagem bem estabelecida, maior respeito e cuidado para com o próprio corpo e dos demais.

Objetivos Específicos:

* Reconhecer a si mesmo e os colegas, identificando e respeitando as semelhanças e diferenças;

* Integrar-se de maneira afetiva no grupo;

* Perceber-se como parte integrante, dependente e agente transformador do meio em que está inserido.

* Respeitar os amigos e aprender tomar decisões em grupos.

Sensibilização:

Com microfone, brincar de se apresentar, mostrando sua tarjeta, falando de suas preferências, o que gosta na escola,etc.

Ilustração da vivência.

1ª Etapa: Quem sou eu?

2ª aula: Colocar o espelho na sala para que as crianças observem-se, em seguida questionar:

Quem é você? Qual é o seu nome? Como você é? Qual a cor do cabelo? Etc.

Mostrar também algumas obras de outros artistas que se retratam. Falar sobre a maneira como pintavam os mesmos.

Registro: Colocar as crianças individualmente na frente de um espelho de mesa para fazerem o auto-retrato.

3ª aula: Em roda questionar sobre seus comportamentos, sentimentos, o que acontece quando o amigo pega seu brinquedo ou briga com você, ou quando o papai chama sua atenção. Comentar que existem vários sentimentos e nomeá-los fazendo a expressão facial que representam. Brincar com a caixinha de sentimentos, o que são os sentimentos, porque ficamos tristes, bravos, alegres, etc. Em seguida propor a confecção de plaquinhas com carinhas de alegria, tristeza, chorando, rindo, etc.

Todos os dias na convivência as crianças comentarão como estão se sentindo, mostrando através das plaquinhas e explicando o motivo por estar feliz, triste, etc.

4ª e 5ª aula: Confecção das plaquinhas utilizando sucatas

6ª aula: Ouvir a música gente tem sobrenome. Após ouví-la faremos uma roda de conversa sobre a mesma. Comentar sobre a importância do nome e que através dele identificamos as pessoas.

Registro: Enviar uma pesquisa perguntando: Quem escolheu seu nome? Porque?

7ª aula: Ao trazerem a pesquisa de volta, sentar em roda e comentar sobre a escolha do nome de cada um para os demais, após conversarmos, fazer um registro em folha com o nome escrito na tarjeta, eles fazendo a interferência no mesmo.

8ªe 9ª aula: Construindo a identidade através do faz-de-conta: Levar as crianças até a brinquedoteca e propor brincar de casinha, todos juntos , a professora mediará a brincadeira lembrando as crianças sobre o papel de cada uma na brincadeira.

Após todos brincarem, fazer uma roda de conversa questionando como foi seu personagem, como se comportou, se gostou de imitar a mamãe ou papai, etc.

10ª aula: Retomar a aula anterior e comentar sobre o papai, a mamãe, como se comportam, enfatizar também que a nossa família são as pessoas que moram conosco, etc.

Apreciação da poesia: As minhas famílias de Pedro Bandeira

Eu gosto da minha mãe,

Do meu pai,

Do meu irmão.

Nem sei como tanta gente,

Cabe no meu coração.

Registro: Fazer um desenho em folha A3 da família.

11ª aula: Montar uma árvore genealógica, pedir a foto do pai, mãe e irmãos e montar uma àrvore colocá-la na sala de exposições. Será feita em papel camurça, uma para cada classe, cada galho representará uma família.

12ª,13ª e 14ª aula: Montagem da àrvore.

15ª aula:

2ª Etapa:Conhecendo o amigo: Vendar os olhos de um dos alunos, chamar outro colega e pedir para que o aluno de olhos vendados descubra quem é através do toque.

Registro: copiar o nome olhando a tarjeta e desenhá-lo.

16ª aula: Quem é maior, Quem é menor: Medir o tamanho dos alunos com o barbante, cortá-lo do tamanho da mesma e colar o nome da criança no barbante, em seguida dispor todos os barbantes para compararmos o maior e o menor aluno da nossa sala,em papel manilha em ordem crescente.

18ª aula:Brincar com a música boneco de lata, explorando o esquema corporal. Propor que cada criança brinque com sua silhueta no pátio observando a posição do sol e sua influência no mesmo.

19ª aula: Faremos uma votação para escolhermos quem será a criança que terá sua silhueta desenhada, em seguida recortaremos as partes desta silhueta para formarmos um quebra-cabeça, após montarmos decoraremos o mesmo.

20ª aula:

Em roda retomaremos tudo o que vimos até agora, enfocaremos as diferenças um é maior, outro é menor, alguns são loiros, outros morenos, etc. Lembrar que devemos gostar das pessoas do jeito que elas são mesmo sendo diferentes.

Ler a fábula”De bem com a vida” de Nye Ribeiro.

Registro: Montar um painel com preferências da turma.

DE BEM COM A VIDA

NYE RIBEIRO

Filó, a joaninha, acordou cedo.

* Que lindo dia! Vou aproveitar para visitar minha tia.

* Alô, tia Matilde, posso ir aí hoje?

* Venha Filó. Vou fazer um almoço bem gostoso.

Filó colocou seu vestido amarelo de bolinhas pretas, passou batom cor-de-rosa, calçou os sapatinhos de verniz, pegou o guarda-chuva preto e saiu pela floresta: plecht, plecht...

Andou, andou... e logo encontrou Loreta, a borboleta.

* Que lindo dia!

* E pra que esse guarda-chuva preto, Filó?

* É mesmo! – pensou a joaninha. E foi para casa deixar o guarda-chuva.

De volta à floresta:

* Sapatinhos de verniz? Que exagero! – Disse o sapo Tatá. Hoje nem tem festa na floresta.

* É mesmo! – pensou a joaninha. E foi para casa trocar os sapatinhos.

De volta à floresta:

* Batom cor-de-rosa? Que esquisito! – disse Téo, o grilo falante.

* É mesmo! – disse a joaninha. E foi para casa tirar o batom.

* Vestido amarelo com bolinhas pretas? Que feio! Por que nÃo usa o vermelho? – disse a aranha Filomena.

* É mesmo pensou Filó. E foi para casa trocar de vestido.

Cansada de tanto ir e voltar, Filó resmungava pelo caminho. O sol estava tão quente que a joaninha resolveu desistir do passeio.

Chegando em casa, ligou para tia Matilde.

* Titia, vou deixar a visita para outro dia.

* O que aconteceu Filó?

* Ah! Tia Matilde! Acordei cedo, me arrumei bem bonita e saí andando pela floresta. Mas no caminho...

* Lembre-se filozinha... gosto de você do jeitinho que você é. Venha amanhã, estarei te esperando com um almoço bem gostoso.

No dia seguinte, Filó acordou de bem com a vida. Colocou seu vestido amarelo de bolinhas pretas, amarrou a fita na cabeça, passou batom cor-de –rosa, calçou seus sapatinhos de verniz, pegou o guarda-chuva preto, saiu andando apressadinha pela floresta, plecht, plecht, plecht... e só parou para descansar no colo gostoso da tia Matilde.

Após a apreciação da fábula, questionar, o que acharam da história? Qual personagem mais lhe agradou? O que aconteceu na história?

Registro: Hipótese fantástica: Se você fosse convidado para um almoço, como iria vestido? Registrar as respostas em painel.

21ª aula: Retomar a história “De bem com a vida”, e pedir para que ascrianças contem o número de personagens que aparecem na mesma e registre com sucata.

2ª Etapa: Nosso grupo, nossa turma.

22ª aula:

Aprendendo a partilhar: Como sensibilização desta etapa,trabalhar a palavra amizade, questionando o que lembram sobre a mesma.

Enfatizar a importância da união e importância de nos preocuparmos com nossos amigos. Propor aos alunos fazer brigadeiros para nossa turma, todos ajudarão. Após o término do mesmo questionar, se podemos comer o brigadeiro sozinho, como vamos fazer para que todos comam os brigadeiros, quantos brigadeiros fizemos, quantos brigadeiros cada criança ganhará.

Registro: fazer o registro das quantidades em painel, e registrar a roda de conversa com fotos da preparação do mesmo.

23ª aula: Brincar de dança das cadeiras cooperativa, enfatizando a união nos momentos das brincadeiras e em todos os outros também. Propor a confecção de um mascote da turma, um novo amigo da nossa classe, junto com os alunos escolheremos o sexo do mesmo, nome e outra características, o mascote visitará a casa de cada um durante o projeto.

24, 25,26ª aula: Confecção do mascote.

27ª aula: Vamos nos organizar: Como em todo grupo, exixtem regras, devemos fazer as nossas também. O que podemos fazer para melhorar a amizade entre as crianças de nosso grupo. Registro: Listar as mesmas em painel. Digitar e anexar n a apostila também.

28ª aula: Cantar o Jingle da escola, assim como nossa sala tem uma música, nosso grupo também terá. Criar com as crianças e gravar em fita para apresentar na reunião de pais.

Digitar o jingle para ser anexado com interferência dos alunos.expor em painel também.

29ª aula: Comentar com as crianças que cada grupo tem seu nome, em casa chamamos de família, no trabalho chamamos de equipe, etc. Agora vamos dar um nome para nosso grupo, se acaso as crianças não conseguirem, dar sugestões como: turminha legal, amigos para sempre, etc.

Registro: Montagem de uma plaquinha de madeira com o nome, para pendurar na porta da sala.

30ª e 31ª aula: Confecção da placa.

32ª aula: : Roda de conversa : Apresentar a bandeira do Brasil e comentar que a bandeira também representa um grupo de pessoas, nosso país, chamar atenção para as cores e as estrelas e comentar o que representam na bandeira. Nosso clube também terá uma bandeira, pedir sugestões as

crianças, todos os detalhes e cores da bandeira deverão ter um significado, assim como a do nosso país.

33ª e 34ª aula:Confecção da bandeira. Após o término, colocar um informativo explicando o significado de cada cor ou detalhe representado em nossa bandeira.

35ª aula: Turminha em ação: Sensibilizar os alunos a serem solidários, não só com os membros da nossa turminha, mas também com outras crianças, que não tem brinquedos para brincar. Sugerir fazermos uma campanha para arrecadarmos brinquedos para crianças carentes, em seguida levar as doações para o nosso lar.

36 ª aula: Aprendendo a cuidar da natureza: Conversar com as crianças a respeito de nossas atitudes em relação ao meio ambiente. Propor aos alunos plantarmos uma flor na nossa escola,.

Registro: Tirar fotos para anexar na apostila com a interferência dos alunos. Acompanhar seu crescimento.

37ª aula: Situação problema: Propor uma situaçÃo problema enfocando o raciocínio lógico –matemático. Questionar quantos meninos e quantas meninas tem na classe.

Registro: Em folha sulfite, confeccionar o rosto de um menino e uma menina com sucata, e sua tarjeta, dispor a grafia do número e propor que registrem em baixo a quantia correspondente também com sucata.

38ª aula: Vamos acampar! Montar um barraca com lençóis ou pedir para a Lia trazer a sua barraca para montarmos no pátio, a maioria das atividades do dia será feita na mesma: convivência, contar histórias, etc.

39ª aula: Dia da integração: Neste dia as crianças do período da tarde virão brincar com turma da manhã, será enviado bilhete antecipadamente, brincaremos juntos, contaremos histórias, o registro será um desenho da vivência.(capa do projeto)

40ª aula: Culminância: Faremos um piquenique no pátio, onde convidaremos outra sala para participar.

PROJETO Minha Turma

Minha Turma

Justificativa: As brincadeiras possibilitam as crianças, não só as relações interpessoais e a integração entre o grupo, como também a descoberta de si próprio e do outro. Dessa forma, através das mesmas, estarão percebendo de maneira prazerosa a importância do auto-conhecimento, da valorização de seus sentimentos e de suas atitudes dentro da sociedade.

Objetivo Geral: Reconhecer sua identidade psicossocial, seu corpo e através da exploração das habilidades motoras, físicas e perceptivas, desenvolver a conscientização a respeito dos aspectos relativos a uma auto-imagem bem estabelecida, maior respeito e cuidado para com o próprio corpo e dos demais.

Objetivos Específicos:

* Reconhecer a si mesmo e os colegas, identificando e respeitando as semelhanças e diferenças;

* Integrar-se de maneira afetiva no grupo;

* Perceber-se como parte integrante, dependente e agente transformador do meio em que está inserido.

* Respeitar os amigos e aprender tomar decisões em grupos.

Sensibilização:

Com microfone, brincar de se apresentar, mostrando sua tarjeta, falando de suas preferências, o que gosta na escola,etc.

Ilustração da vivência.

1ª Etapa: Quem sou eu?

2ª aula: Colocar o espelho na sala para que as crianças observem-se, em seguida questionar:

Quem é você? Qual é o seu nome? Como você é? Qual a cor do cabelo? Etc.

Mostrar também algumas obras de outros artistas que se retratam. Falar sobre a maneira como pintavam os mesmos.

Registro: Colocar as crianças individualmente na frente de um espelho de mesa para fazerem o auto-retrato.

3ª aula: Em roda questionar sobre seus comportamentos, sentimentos, o que acontece quando o amigo pega seu brinquedo ou briga com você, ou quando o papai chama sua atenção. Comentar que existem vários sentimentos e nomeá-los fazendo a expressão facial que representam. Brincar com a caixinha de sentimentos, o que são os sentimentos, porque ficamos tristes, bravos, alegres, etc. Em seguida propor a confecção de plaquinhas com carinhas de alegria, tristeza, chorando, rindo, etc.

Todos os dias na convivência as crianças comentarão como estão se sentindo, mostrando através das plaquinhas e explicando o motivo por estar feliz, triste, etc.

4ª e 5ª aula: Confecção das plaquinhas utilizando sucatas

6ª aula: Ouvir a música gente tem sobrenome. Após ouví-la faremos uma roda de conversa sobre a mesma. Comentar sobre a importância do nome e que através dele identificamos as pessoas.

Registro: Enviar uma pesquisa perguntando: Quem escolheu seu nome? Porque?

7ª aula: Ao trazerem a pesquisa de volta, sentar em roda e comentar sobre a escolha do nome de cada um para os demais, após conversarmos, fazer um registro em folha com o nome escrito na tarjeta, eles fazendo a interferência no mesmo.

8ªe 9ª aula: Construindo a identidade através do faz-de-conta: Levar as crianças até a brinquedoteca e propor brincar de casinha, todos juntos , a professora mediará a brincadeira lembrando as crianças sobre o papel de cada uma na brincadeira.

Após todos brincarem, fazer uma roda de conversa questionando como foi seu personagem, como se comportou, se gostou de imitar a mamãe ou papai, etc.

10ª aula: Retomar a aula anterior e comentar sobre o papai, a mamãe, como se comportam, enfatizar também que a nossa família são as pessoas que moram conosco, etc.

Apreciação da poesia: As minhas famílias de Pedro Bandeira

Eu gosto da minha mãe,

Do meu pai,

Do meu irmão.

Nem sei como tanta gente,

Cabe no meu coração.

Registro: Fazer um desenho em folha A3 da família.

11ª aula: Montar uma árvore genealógica, pedir a foto do pai, mãe e irmãos e montar uma àrvore colocá-la na sala de exposições. Será feita em papel camurça, uma para cada classe, cada galho representará uma família.

12ª,13ª e 14ª aula: Montagem da àrvore.

15ª aula:

2ª Etapa:Conhecendo o amigo: Vendar os olhos de um dos alunos, chamar outro colega e pedir para que o aluno de olhos vendados descubra quem é através do toque.

Registro: copiar o nome olhando a tarjeta e desenhá-lo.

16ª aula: Quem é maior, Quem é menor: Medir o tamanho dos alunos com o barbante, cortá-lo do tamanho da mesma e colar o nome da criança no barbante, em seguida dispor todos os barbantes para compararmos o maior e o menor aluno da nossa sala,em papel manilha em ordem crescente.

18ª aula:Brincar com a música boneco de lata, explorando o esquema corporal. Propor que cada criança brinque com sua silhueta no pátio observando a posição do sol e sua influência no mesmo.

19ª aula: Faremos uma votação para escolhermos quem será a criança que terá sua silhueta desenhada, em seguida recortaremos as partes desta silhueta para formarmos um quebra-cabeça, após montarmos decoraremos o mesmo.

20ª aula:

Em roda retomaremos tudo o que vimos até agora, enfocaremos as diferenças um é maior, outro é menor, alguns são loiros, outros morenos, etc. Lembrar que devemos gostar das pessoas do jeito que elas são mesmo sendo diferentes.

Ler a fábula”De bem com a vida” de Nye Ribeiro.

Registro: Montar um painel com preferências da turma.

DE BEM COM A VIDA

NYE RIBEIRO

Filó, a joaninha, acordou cedo.

* Que lindo dia! Vou aproveitar para visitar minha tia.

* Alô, tia Matilde, posso ir aí hoje?

* Venha Filó. Vou fazer um almoço bem gostoso.

Filó colocou seu vestido amarelo de bolinhas pretas, passou batom cor-de-rosa, calçou os sapatinhos de verniz, pegou o guarda-chuva preto e saiu pela floresta: plecht, plecht...

Andou, andou... e logo encontrou Loreta, a borboleta.

* Que lindo dia!

* E pra que esse guarda-chuva preto, Filó?

* É mesmo! – pensou a joaninha. E foi para casa deixar o guarda-chuva.

De volta à floresta:

* Sapatinhos de verniz? Que exagero! – Disse o sapo Tatá. Hoje nem tem festa na floresta.

* É mesmo! – pensou a joaninha. E foi para casa trocar os sapatinhos.

De volta à floresta:

* Batom cor-de-rosa? Que esquisito! – disse Téo, o grilo falante.

* É mesmo! – disse a joaninha. E foi para casa tirar o batom.

* Vestido amarelo com bolinhas pretas? Que feio! Por que nÃo usa o vermelho? – disse a aranha Filomena.

* É mesmo pensou Filó. E foi para casa trocar de vestido.

Cansada de tanto ir e voltar, Filó resmungava pelo caminho. O sol estava tão quente que a joaninha resolveu desistir do passeio.

Chegando em casa, ligou para tia Matilde.

* Titia, vou deixar a visita para outro dia.

* O que aconteceu Filó?

* Ah! Tia Matilde! Acordei cedo, me arrumei bem bonita e saí andando pela floresta. Mas no caminho...

* Lembre-se filozinha... gosto de você do jeitinho que você é. Venha amanhã, estarei te esperando com um almoço bem gostoso.

No dia seguinte, Filó acordou de bem com a vida. Colocou seu vestido amarelo de bolinhas pretas, amarrou a fita na cabeça, passou batom cor-de –rosa, calçou seus sapatinhos de verniz, pegou o guarda-chuva preto, saiu andando apressadinha pela floresta, plecht, plecht, plecht... e só parou para descansar no colo gostoso da tia Matilde.

Após a apreciação da fábula, questionar, o que acharam da história? Qual personagem mais lhe agradou? O que aconteceu na história?

Registro: Hipótese fantástica: Se você fosse convidado para um almoço, como iria vestido? Registrar as respostas em painel.

21ª aula: Retomar a história “De bem com a vida”, e pedir para que ascrianças contem o número de personagens que aparecem na mesma e registre com sucata.

2ª Etapa: Nosso grupo, nossa turma.

22ª aula:

Aprendendo a partilhar: Como sensibilização desta etapa,trabalhar a palavra amizade, questionando o que lembram sobre a mesma.

Enfatizar a importância da união e importância de nos preocuparmos com nossos amigos. Propor aos alunos fazer brigadeiros para nossa turma, todos ajudarão. Após o término do mesmo questionar, se podemos comer o brigadeiro sozinho, como vamos fazer para que todos comam os brigadeiros, quantos brigadeiros fizemos, quantos brigadeiros cada criança ganhará.

Registro: fazer o registro das quantidades em painel, e registrar a roda de conversa com fotos da preparação do mesmo.

23ª aula: Brincar de dança das cadeiras cooperativa, enfatizando a união nos momentos das brincadeiras e em todos os outros também. Propor a confecção de um mascote da turma, um novo amigo da nossa classe, junto com os alunos escolheremos o sexo do mesmo, nome e outra características, o mascote visitará a casa de cada um durante o projeto.

24, 25,26ª aula: Confecção do mascote.

27ª aula: Vamos nos organizar: Como em todo grupo, exixtem regras, devemos fazer as nossas também. O que podemos fazer para melhorar a amizade entre as crianças de nosso grupo. Registro: Listar as mesmas em painel. Digitar e anexar n a apostila também.

28ª aula: Cantar o Jingle da escola, assim como nossa sala tem uma música, nosso grupo também terá. Criar com as crianças e gravar em fita para apresentar na reunião de pais.

Digitar o jingle para ser anexado com interferência dos alunos.expor em painel também.

29ª aula: Comentar com as crianças que cada grupo tem seu nome, em casa chamamos de família, no trabalho chamamos de equipe, etc. Agora vamos dar um nome para nosso grupo, se acaso as crianças não conseguirem, dar sugestões como: turminha legal, amigos para sempre, etc.

Registro: Montagem de uma plaquinha de madeira com o nome, para pendurar na porta da sala.

30ª e 31ª aula: Confecção da placa.

32ª aula: : Roda de conversa : Apresentar a bandeira do Brasil e comentar que a bandeira também representa um grupo de pessoas, nosso país, chamar atenção para as cores e as estrelas e comentar o que representam na bandeira. Nosso clube também terá uma bandeira, pedir sugestões as

crianças, todos os detalhes e cores da bandeira deverão ter um significado, assim como a do nosso país.

33ª e 34ª aula:Confecção da bandeira. Após o término, colocar um informativo explicando o significado de cada cor ou detalhe representado em nossa bandeira.

35ª aula: Turminha em ação: Sensibilizar os alunos a serem solidários, não só com os membros da nossa turminha, mas também com outras crianças, que não tem brinquedos para brincar. Sugerir fazermos uma campanha para arrecadarmos brinquedos para crianças carentes, em seguida levar as doações para o nosso lar.

36 ª aula: Aprendendo a cuidar da natureza: Conversar com as crianças a respeito de nossas atitudes em relação ao meio ambiente. Propor aos alunos plantarmos uma flor na nossa escola,.

Registro: Tirar fotos para anexar na apostila com a interferência dos alunos. Acompanhar seu crescimento.

37ª aula: Situação problema: Propor uma situaçÃo problema enfocando o raciocínio lógico –matemático. Questionar quantos meninos e quantas meninas tem na classe.

Registro: Em folha sulfite, confeccionar o rosto de um menino e uma menina com sucata, e sua tarjeta, dispor a grafia do número e propor que registrem em baixo a quantia correspondente também com sucata.

38ª aula: Vamos acampar! Montar um barraca com lençóis ou pedir para a Lia trazer a sua barraca para montarmos no pátio, a maioria das atividades do dia será feita na mesma: convivência, contar histórias, etc.

39ª aula: Dia da integração: Neste dia as crianças do período da tarde virão brincar com turma da manhã, será enviado bilhete antecipadamente, brincaremos juntos, contaremos histórias, o registro será um desenho da vivência.(capa do projeto)

40ª aula: Culminância: Faremos um piquenique no pátio, onde convidaremos outra sala para participar.

PROJETO: ADAPTAÇÃO (ARTES)

PROJETO: ADAPTAÇÃO (ARTES)

PROJETO: ADAPTAÇÃO (ARTES)

JUSTIFICATIVA: O CONTATO COM ARTE APROXIMA, RELEVA, CRIA E ESTIMULA AS CRIANÇAS A MANIFESTAREM SEUS SENTIMENTOS E IDÉIAS. ESTAS MANIFESTAÇÕES, QUANDO FEITAS COLETIVAMENTE, TORNAM O FAZER ARTÍSTICO UMA FORMA DE COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DE TODOS OS PARTICIPANTES DO GRUPO.

OBJETIVO GERAL: PROPICIAR A INTEGRAÇÃO DE TODOS OS ALUNOS, AS HABILIDADES E DIFERENTES MANEIRAS DE EXPRESSÃO, ATRAVÉS DE ATIVIDADES ARTÍSTICAS.

SENSIBILIZAÇÃO: INICIAREMOS O PROJETO COM UMA RODA DE CONVERSA, PARA QUE CADA CRIANÇA COMENTE SOBRE A SUA MUSICA FAVORITA. (LISTAR EM PAINEL.)

APÓS A RODA, SELECIONAR AS MÚSICAS FAVORITAS DAS CRIANÇAS E DRAMATIZAREMOS UM BAILE A FANTASIA PARA QUE AS CRIANÇAS OUÇAM A MUSICA E DANCEM.

REGISTRO: LISTAGEM EM PAINEL DAS MUSICAS FAVORITAS COM ILUSTRAÇÃO DAS CRIANÇAS.

DECORAR AS BORDAS DOS PAINÉIS COM COLAGENS DE SUCATAS SEMPRE QUE POSSÍVEL, TAMBÉM DÁ UM EFEITO LEGAL NA CLASSE.

1ª AULA: NO PÁTIO, BRINCAREMOS COM A MÚSICA O PEZINHO PARA QUE AS CRIANÇAS CANTEM E DANCEM.

O PÉZINHO

Ô BOTA AQUI, Ô BOTA AQUI.

O SEU PEZINHO

O SEU PEZINHO BEM JUNTINHO COM O MEU.

LAIÁ, LAIÁ, LAIÁ, LAIÁ, HEY!

LAIÁ, LAIÁ, LAIÁ, LAIÁ, HEY!

LAIÁ, LAIÁ, LAIÁ, LAIÁ, HEY!

DEPOIS EM RODA, CONVERSAREMOS SOBRE ESSA PRIMEIRA ETAPA DA ATIVIDADE:

* O QUE VOCÊS ACHARAM DA MÚSICA?

* QUAL PARTE DO NOSSO CORPO UTILIZAMOS PARA REPRESENTÁ-LA?

* O QUE MAIS LHE CHAMOU ATENÇÃO?

PARA ILUSTRARMOS A MÚSICA, CONVIDAREI AS CRIANÇAS A TIRAREM O SAPATO, LAMBUZAR OS PÉS DE TINTA E CAMINHAR SOBRE O PAPEL QUE ESTARÁ ESTENDIDO NO PÁTIO, CARIMBANDO-OS.

REGISTRO: PAINEL COM PEGADAS COLORIDAS. (PAINEL DE PORTA)

PARA ENRIQUECER A PRODUÇÃO, É INTERESSANTE UTILIZAR CORES BEM VIVAS E EVITAR OS TONS MAIS ESCUROS.

2ª AULA: BRINCAR COM A MÚSICA CORRE-LENÇO

CORRE-LENÇO

CORRE-LENÇO

JÁ CORREU

CORRE COTIA

NA CASA DA TIA

CORRE CIPÓ

NA CASA DA VÓ

LENCINHO NA MÃO

CAIU NO CHÃO

MOÇA BONITA

DO MEU CORAÇÃO POSSO JOGAR?

PODE!

EM QUEM EU QUISER?

É!

NÃO VAI ACHAR RUIM?

NÃO!

ENTÃO

FECHE OS OLHOS?

NESTA BRINCADEIRA CANTADA, UTILIZAREMOS UM LENÇO DE TECIDO E DEIXAREI AS CRIANÇAS LIVRES PARA MANUSEAREM O MATERIAL.

RODA DE CONVERSA:

* O QUE VOCÊS ACHARAM DA BRINCADEIRA?

* QUAL O MATERIAL QUE UTILIZAMOS PARA BRINCAR?

* DO QUE ELE É FEITO?

* COMO ELE É?

* QUE COR ELE É?

APÓS ESSA RODA DE CONVERSA, ENTREGAREI UM PEDAÇO DE TECIDO PARA CADA CRIANÇA PARA QUE FAÇAM UMA PINTURA COM TINTA E ASSIM ILUSTRAREMOS A CAPA DAS AGENDAS.

OU G1: COLAR RETALHOS NA FOLHA

ACHO INTERESSANTE PRIMEIRAMENTE VOCÊ PROPOR A PINTURA DO FUNDO DA CAPA DA AGENDA COM A COR QUE CADA CRIANÇA ESCOLHER. SE NECESSÁRIO MISTURE AS CORES COM BRANCO PARA OBTER TONS MAIS CLAROS, ASSIM COMO TAMBÉM FAÇA MISTURAS PARA OBTER NOVAS CORES. APÓS A SECAGEM, ANTES DA COLAGEM DE PEDACINHOS DE RETALHOS DIVERSOS, QUE PODE SER FEITA TANTO PARA O G1 COMO PARA O G2, PASSE DUREX COLORIDO NAS BORDAS PARA FICAR UM ACABAMENTO MAIS BONITO. NA SALA DE ARTES TEM UMA CAIXA COM VÁRIOS RETALHOS COLORIDOS. TAMBÉM É LEGAL FIXAR A CANTIGA DIGITADA E COM O LOGO NO VERSO DA PRODUÇÃO.

REGISTRO: RESPOSTAS DAS CRIANÇAS EM PAINEL PARA EXPOR NA CLASSE.

3ª AULA: BRINCAR COM A MÚSICA MARCHA SOLDADO.

MARCHA SOLDADO

MARCHA SOLDADO

CABEÇA DE PAPEL

SE NÃO MARCHAR DIREITO

VAI PRESO NO QUARTEL

O QUARTEL PEGOU FOGO

FRANCISCO DEU O SINAL

ACODE, ACODE, ACODE

A BANDEIRA NACIONAL.

NO PÁTIO BRINCAREMOS COM A MÚSICA, MAS ANTES CADA CRIANÇA RECEBERÁ UM CHAPÉU PARA SE TRANSFORMAREM EM SOLDADOS. APÓS ESSA

PRIMEIRA ETAPA DA ATIVIDADE, FAREMOS UMA RODA DE CONVERSA SOBRE A MESMA.

* VOCÊS GOSTARAM DA BRINCADEIRA?

* QUAL MATERIAL UTILIZAMOS PARA FAZER O CHAPÉU?

* SERÁ QUE DÁ PARA CONFECCIONARMOS OUTROS OBJETOS COM ESSE MATERIAL?

* VAMOS BRINCAR DE FAZ DE CONTA COM JORNAL?

DEPOIS DA RODA DE CONVERSA, ENTREGAREI UMA FOLHA DE JORNAL PARA CADA CRIANÇA PARA BRINCARMOS DE FAZ DE CONTA; TRANSFORMAREMOS O JORNAL EM ALGUNS OBJETOS COMO: BOLA, CAPA DE SUPER-HERÓI E OUTROS OBJETOS CITADOS PELAS CRIANÇAS. (FOTOGRAFAR AS CRIANÇAS BRINCANDO E ANEXAR NA APOSTILA).

REGISTRO: COLAGEM DE JORNAL E PINTURA COM TINTA GUACHE.

NO A3.

ALINE,

COMO VOCÊ TRABALHA COM O PAPEL A3, SERIA INTERESSANTE VOCÊ COLAR UMA CÓPIA DA CANTIGA OU POESIA EXPLORADA NO VERSO DA FOLHA ACOMPANHANDO A CONSÍGNA.

4ª AULA: MÚSICA A CANOA VIROU

A CANOA VIROU

A CANOA VIROU

POR DEIXAR ELA VIRAR

FOI POR CAUSA DO ZÉ

QUE NÃO SOUBE REMAR

TIRIRI PRA LÁ

TIRIRI PRA CÁ

O ZÉ É VELHO

E NÃO QUER CASAR.

NO PÁTIO, PEDIREI AS CRIANÇAS QUE DÊEM AS MÃOS PARA FORMARMOS UMA RODA E LOGO EM SEGUIDA, BRINCAREMOS COM ESSA CANTIGA DE RODA, INSERINDO OS NOMES DOS AMIGOS E ENFOCANDO A IMPORTÂNCIA DE TERMOS AMIGOS.

RODA DE CONVERSA:

* VOCÊS GOSTARAM DA BRINCADEIRA?

* QUEM GOSTA DE BRINCAR?

* QUAL A SUA BRINCADEIRA FAVORITA?

* QUEM SÃO OS SEUS AMIGOS?

* O QUE PODEMOS FAZER COM ELES?

REGISTRO: ENTREGAREI PARA AS CRIANÇAS A FOLHA DA ATIVIDADE PARA QUE DESENHEM OS AMIGOS DA CLASSE UTILIZANDO CANETINHA.

PARA FINALIZAR COLAREMOS NA PAREDE OS NOSSOS COMBINADOS.

5ª AULA: MÚSICA PIRULITO

PIRULITO

PIRULITO QUE BATE, BATE

PIRULITO QUE JÁ BATEU

QUEM GOSTA DE MIM É ELA

QUEM GOSTA DELA SOU EU.

REGISTRO: APÓS CANTARMOS A MÚSICA PIRULITO, ENTREGAREI PARA CADA CRIANÇA UM PEDAÇO DE BARBANTE E UM PALITO DE SORVETE, PARA CADA QUAL CRIAR SEU PIRULITO COLANDO OS MATERIAIS OFERECIDOS NA FOLHA.

G1: COLAGEM DOS ELEMENTOS TRABALHADOS (BARBANTE E PALITOS DE SORVETE)

6ª AULA: MÚSICA: PARABÉNS:

PARABÉNS

PARABÉNS PRA VOCÊ

NESTA DATA QUERIDA

MUITAS FELICIDADES

MUITOS ANOS DE VIDA.

É PIC, É PIC É PIC, É PIC

É HORA, É HORA, É HORA, É HORA.

RA, TIM, BUM.

DEPOIS DE APRENDEMOS A CANTAR ESTA MÚSICA, DRAMATIZAREMOS NO PÁTIO/BRINQUEDOTECA UMA FESTA DE ANIVERSARIO, COM OS MATÉRIAS UTILIZADOS NUMA FESTA (CHAPEUZINHO,FORMINHAS DE BRIGADEIRO, LATAS DE REFRIGERANTE, BEXIGAS, ETC).

APÓS A FESTA, FAREMOS UMA RODA DE CONVERSA:

* QUEM JÁ FOI A UMA FESTA DE ANIVERSARIO?

* O QUE COMEMOS NA FESTA?

* O QUE VOCÊ MAIS GOSTA DE FAZER NUMA FESTA DE ANIVERSÁRIO?

APÓS A RODA DE CONVERSA E A BRINCADEIRA, SELECIONAREMOS ALGUNS MATERIAIS DA SALA DE ARTES PARA COLARMOS NO NOSSO PAINEL CUJO FUNDO SERÁ OS XÉROX DAS CERTIDÕES DE NASCIMENTO ( AS CRIANÇAS TERÃO COLADO).

REGISTRO: PAINEL DE ANIVERSÁRIO.

CULMINÂNCIA: FESTA DE CARNAVAL.

7ª AULA: MÚSICA: BORBOLETINHA

BORBOLETINHA

BORBOLETINHA

ESTA NA COZINHA

FAZENDO CHOCOLATE

PARA A MADRINHA

POTI, POTI

PERNA DE PAU

OLHO DE VIDRO

E NARIZ DE PICA PAU

PAU-PAU.

APÓS APRENDERMOS A MÚSICA BORBOLETINHA, SAIREMOS PELO QUINTAL DA ESCOLA PARA VER SE ENCONTRAMOS ALGUMA BORBOLETA VOANDO NO PARQUE. CASO NÃO ENCONTREMOS NENHUMA, MOSTRAREI UMA FOTOGRAFIA DESSE ANIMAL.

1- REGISTRO: FAREMOS UMA LEITURA DE IMAGEM (GRAVAR E DIGITAR OS COMENTÁRIOS).

2 – REGISTRO: CONFECCIONAR UMA MASCARA DE BORBOLETA PARA A FESTA DE CARNAVAL. OS ALUNOS PODERÃO DECORAR UTILIZANDO PEQUENAS SUCATAS, GLITER E OUTROS MATERIAIS.



ALGUNS DIAS ANTES, PEDIREI FOTOS DAS CRIANÇAS QUE POSSAM SER RECORTADAS, POIS ELAS SERÃO O CORPO DA BORBOLETA, AS ASAS ELAS CONFECCIONARÃO COM SUCATAS PEQUENAS.

ANTES DA COLAGEM, PITAREMOS O FUNDO COM CORES BEM VIVAS.

Assunto: Culinária na Escola

Assunto: Culinária na Escola
Título: Aprendendo desde a tenra idade o prazer de preparar alimentos
Turmas: MATERNAL 1 ,2 E 3
ORIGEM E JUSTIFICATIVA DO PROJETO:
A idéia de desenvolver um projeto envolvendo momentos de culinária com os alunos surgiu a partir da curiosidade e gosto destes ao se aventurar na cozinha, reações estas constatadas, entre outros momentos, pelas professoras/educadoras quando fizeram iogurte de banana e bolo de cenoura nas sextas-feiras quando eram realizados momentos diferenciados na escola. Também se considerou a importância de explorar a linguagem da culinária, durante uma reunião pedagógica realizada na escola, já que diariamente os alunos queriam saber que alimentos estavam sendo preparados para suas refeições. Ao receberem a resposta mostravam-se mais indagadores, querendo conhecer e saber como esses alimentos eram preparados. A curiosidade prevaleceu e sentimos nossos alunos com esse desejo de conhecer, de visualizar, explorar utensílios, enfim de conhecer o preparo dos alimentos.
A linguagem da culinária é muito importante para as crianças de zero a seis anos, pois desenvolvem a percepção olfativa, como também faz com que a criança aprenda através da culinária, conceitos como linguagem, matemática, ciências e os conteúdos dessas áreas. Compreendemos esse desejo e para satisfaze-lo elaboramos este projeto, em que enfatizaremos a arte de cozinhar e a técnica do preparo dos alimentos. Procuraremos aliar diversão e aprendizagem, criando oficinas, visitas e observações em estabelecimentos que preparam alimentos.
Além de considerar as curiosidades dos alunos para abordar e realizar trabalhos relacionados ao tema, buscou-se fundamentar através da pesquisa em livros e revistas importância da culinária.
A culinária é a arte de cozinhar, ou seja, confeccionar/produzir alimentos e foi evoluindo ao longo da história dos povos para tornar-se parte da cultura de cada um. Variam de região para região, não só os ingredientes, como também as técnicas culinárias e os próprios utensílios.
No inicio da história da humanidade, os alimentos eram vegetais ou animais caçados para fins de consumo crus, com a descoberta do fogo, os alimentos passaram a ser cozidos, o que aumentou sua digestão. A preparação dos alimentos teve uma história paralela, com o desenvolvimento tecnológico modificando gradualmente os utensílios e as técnicas culinárias.
Na formação do povo brasileiro, não foram apenas costumes, danças, lendas, festas dentre outras inúmeras manifestações culturais que foram fruto da miscigenação racial do povo brasileiro. Uma das qualidades inigualáveis quanto ao sabor, qualidade, beleza e variedade é a Culinária do Povo Brasileiro, culinária esta que se utilizou as influências indígenas, negras, européias para fazer a base da alimentação no Brasil, na formação dos pratos típicos onde se ressalta três povos como influenciadores na nossa Culinária:
1.Influências dos Índios: No Brasil Indígena, bem antes da chegada dos Portugueses, já se conheciam inúmeros produtos cultivados para a alimentação, para produção de bebidas e condimentos, entre eles o milho, mandioca (para fazer farinha), aipim . Diversas frutas eram utilizadas na alimentação e preparos de bebidas como o caju, além da caça e pesca.
2.Influências Africanas: Os Africanos quando foram trazidos para o Brasil, já eram dotados de um a vasta sabedoria na Culinária, algum produto que podemos destacar é o Azeite de Dendê e um prato tipicamente brasileiro é a feijoada, fruto da adaptação do negro às condições adversas da escravidão que com sobras de carnes juntamente com a sabedoria da culinária africana criou este prato.
3.Influências Européias: Os Europeus por serem os maiores conhecedores das técnicas da Agricultura e Criação de animais para servirem de alimentação, são deles que se herdou o costume de ingerir carne como de boi, carneiro, porco, bode. Assim, contribuíram com os subprodutos oriundos de criação de animais, como o leite, o queijo, requeijão, embutidos, defumados, outra contribuição marcante é na fabricação de bebidas como o licor, fabricação de doces, conservas, dentre outros produtos.
Os utensílios são importantes e o primeiro foi a mão. Com ela, os nossos antepassados colhiam ou caçavam os alimentos ou a bebida e os levavam à boca. Hoje ela serve para segurar os alimentos e os utensílios e para colocar as importantes pitadas de sal ou outros temperos (embora seja mais higiênico usar colherinhas).
Com a descoberta do fogo, o homem teve que inventar utensílios para preparar a comida. Pensa-se que isso foi possível com a descoberta da cerâmica, pois foi onde apareceram as primeiras panelas e recipientes para a água. Provavelmente a cozedura simples dos alimentos em água mostrou a existência de gordura animal que foi, mais tarde, refinada e usada para os refogados e guisados e depois para a fritura. Provavelmente, outros utensílios primitivos de cozinha foram pedras para cortar ou triturar os alimentos e paus para os mexer no fogo. Com a descoberta da metalurgia, devem ter aparecido as primeiras facas e garfos – as colheres devem ter continuado por muito tempo a ser feitas de madeira, como ainda se usam hoje.
O gosto em preparar seu próprio alimento é um aprendizado que se leva para toda a vida, acreditando que este tipo de atividade, além de desenvolver a percepção olfativa, faz com as crianças aprendem a ter um contato com as diferentes origens e fontes de alimentos, conhecendo os mesmos, os que são industrializados e os que não são. Conhecem os perigos que existem em uma cozinha, aprendem a gostar de preparar seus alimentos, noções de higiene e como lidar e cuidar dos mesmos.
Os resultados da experimentação quando se trabalha com a culinária são o desenvolvimento da linguagem oral e a escrita. As crianças trabalham seguindo instruções (leitura), discriminam e reconhecem sabores e cheiros e acabam percebendo a transformação dos ingredientes, vindo a provar o que ela, de uma ou outra forma, ajudou a produzir.
A Educação Infantil deve proporcionar a transformação das percepções “mágicas” do mundo da criança em direção a uma apropriação gradativa de conhecimentos, por meio da investigação, da constatação e registro dos fatos e fenômenos observados que lhes permitam construir relações e conceitos.
Não há duvidas da importância que é o trabalho com a culinária, conhecer como eram preparados os alimentos dos nossos antepassados, sem falar que a culinária estimula a criança a desenvolver sua linguagem oral, matemática e cientifica, possibilitando além disso, a organização de situações desafiadoras envolvendo todo o grupo.
OBJETIVOS
 Apreciar a arte da culinária, participando na preparação de seus próprios alimentos.
 Oportunizar situações de descobertas sobre a culinária, através de histórias.
 Explorar os utensílios que são utilizados na preparação dos alimentos.
 Incentivar a arte da culinária através da invenção de receitas novas;
 Identificar alguns ingredientes utilizados nos preparos dos alimentos;
 Verificar as quantidades de ingredientes necessárias;
 Visualizar livros, revistas e jornais com receitas.
 Conscientizar da importância de mantermos uma boa higiene durante o preparo dos alimentos;
LINGUAGEM GERADORA
• Linguagem da Culinária
SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM
• Fazendo pesquisa de receitas com os pais;
• Confeccionando livros de receitas;
• Inventando e produzindo novas receitas;
• Preparando alimentos (saladas, bolos, biscoitos);
• Confeccionando objetos de cozinha com sucatas;
• Visitando restaurante, bar ou indústrias;
• Produzindo gráfico com os alimentos que vamos consumir em uma semana;
• Confeccionando móbiles;
• Brincando de feira;
• Observando como as cozinheiras da escola fazem a refeição do dia-a-dia;
• Confeccionando cartazes com gravuras recortadas de jornais ou revistas de alimentos que consideram saudáveis e outros que não são saudáveis;
• Cultivando uma mini-horta com verduras, legumes e temperos;
• Participando da gincana onde cada turma terá que preparar um prato doce e um salgado;
• Assistindo programas culinários;
RECURSOS
Livros de histórias; Ingredientes; Utensílios de cozinha; Material de higiene (touca, luvas, avental, rodutos de limpeza); Sucatas, cola, tesoura, folhas de oficio, desenhos, jornais, revistas, canetinhas, giz de cera, tinta tempera; Mudas de legumes, verduras e temperos; Massa de modelar; TV; máquina fotográfica;
RELATÓRIO AVALIATIVO
O relatório será construído no decorrer do projeto, considerando as reações e ações dos alunos, observações e intervenções das professoras/educadoras que será descrito ao final de cada semestre no relatório individual do aluno.
PORTFÓLIO
O portfólio do grupo não será construído porque as observações estarão descritas no relatório individual do aluno. As fotos tiradas nestes momentos serão expostas no mural para a apreciação dos pais.
REFERÊNCIAS
Site do Google : pesquisa sobre Culinária Infantil;
VIDAL, Leme Eunice. Saúde com sabor. São Paulo.
ANDRADE, de R. Carlos.Cozinha Industrial – 1990;
SCHILLING, Magali. Qualidade em nutrição.
SILVA, da C. M. Sandra, Cardápio, guia prático para elaboração.São Paulo: Atheneu, 2004.