segunda-feira, 11 de outubro de 2010

PROJETO CASA DE MONTEIRO LOBATO




PROJETO CASA DE MONTEIRO LOBATO



O Projeto Casa de Monteiro Lobato, entre tantos projetos literários, é mais uma atividade didática promovida com o fim de criar, despertar e cultivar a prática constante e indispensável da leitura, uma vez que livro nenhum tem período ou momento exato para ser lido, não nos cumula anos, mas sabedoria para vivê-los melhor.

Livros são alimentos riquíssimos para a formação da nossa personalidade, para a cristalização do nosso saber e para a calcificação da nossa auto-estima e, o melhor, não são perecíveis; não somente podem, mas devem ser mantidos ao alcance das crianças e consumido em grandes doses, desde a pré-alfabetização até as mais tenras primaveras.

Acreditando e investindo nessa premissa, nosso objetivo é levar não apenas o aluno, mas também os professores e os pais a se familiarizarem, primeiramente, com o autor das obras — pesquisando sobre sua vida, suas motivações para escrever, seu estilo, sua percussão — e, só a partir desse conhecimento, se lançar à leitura das obras previamente selecionadas.

A escola, sendo um espaço propício ao incentivo à leitura, é capaz de fazer com que o aluno ponha em questão o universo em que está inserido, dando-lhe margens para interagir como sujeito que pensa. O aluno não pode se limitar às idéias de educadores que vêem a leitura como simples decodificação de símbolos gráficos, sem buscar na sua essência os pressupostos básicos de fazer aflorar o senso crítico nos seus alunos, partindo de uma necessidade própria de instigar constantemente, socializar a curiosidade e não se satisfazer com idéias prontas, sabendo julgá-las quando necessário.

A professora é fundamental nesse processo, garantindo o espaço e as condições para que os alunos se mostrem nas suas histórias, nas suas preocupações; é ela quem vai identificar, nesse universo de representação que se desvela, os temas, os problemas e os interesses a serem trabalhados pelo grupo. Não é priorizando os aspectos mecânicos da leitura que a escola criará um leitor reflexivo, crítico e participativo, capaz de estabelecer relações com seu mundo. Essencial é a função que a professora vai exercer no encaminhamento do processo da leitura.

Cabe à escola reconhecer sua capacidade de atuar como estimuladora do processo de leitura e propiciar o máximo em experiências, não apenas com base no código lingüístico escrito, mas no ouvir, comentar, criticar, sugerir, ler diferentes linguagens.

O aluno deve ter acesso aos mais variados materiais de escrita, sem, contudo, tornar-se passivo enquanto apenas recebe e aceita o que lê. Ao contrário, que seja encorajado o comentário, a crítica, a sugestão, como meios de promover a aceitação ou o questionamento sobre o texto lido. Esse parece ser um caminho mais eficaz que aquele comumente percorrido na escola.

Fundamentação Teórica

A tarefa de educar, há muito, reclama do corpo docente criatividade, dinamicidade e, o mais importante, exemplos vivenciados na prática e não meramente citados ou solicitados. Nada mais é porque é ou se faz porque tem que fazer! Dadas as novas diretrizes do ensino e seu caráter multidimensional, o aluno deixa de apenas receber os conteúdos e passa a experienciá-los, buscando suas origens e suas aplicações na prática.

Com a leitura ou a literatura não acontece diferente, o professor tem de estar engajado no projeto de ler e reler para melhor orientar e incentivar esse dom nos alunos, que constantemente vêm sendo persuadidos pelos meios de comunicação em massa. Nesse sentido, um dos objetivos do Projeto Casa de Monteiro Lobato é motivar paralelamente os alunos da Educação Infantil, de forma que, desde deste período, durante um mês, se trabalhe com este escritor, buscando e descobrindo coisas novas.

Ao educador, é designada a função de adaptar a mensagem dos livros às habilidades e competências programadas para serem vencidas em sala de aula, interdisciplinarizando e enriquecendo a bagagem cultural do aprendiz e de si próprio.

Público-alvo

A princípio, nossa meta é atingir todos os alunos da Educação Infantil e seus respectivos professores.


Objetivos:

• Conhecer o escritor Monteiro Lobato, bem como suas obras:
• Criar nos alunos o hábito da leitura, através do contato com histórias;
• Despertar um ambiente prazeroso para a leitura, onde a própria criança pede e sente vontade;
• Proporcionar a socialização através de produção de textos orais junto aos colegas;
• Desenvolver interesse e atenção por músicas, leitura, histórias e escrita.
• Incentivar o gosto pela leitura.
• Tornar a leitura prazerosa.
• Oportunizar ao aluno a escolha do livro que irá ler.
• Dar liberdade ao aluno de fazer críticas ou elogios acerca do livro lido.
• Conhecer diversos textos.
• Promover e incentivar a livre expressão de idéias.
• Compreender a importância da leitura.
• Ampliar o vocabulário.
• Possibilitar o contato com os diversos tipos de texto.
• Incentivar o uso do dicionário como recurso para o entendimento das palavras desconhecidas.
• Descobrir características culturais do autor e da sua obra.

Metodologia do Projeto

Esse projeto foi idealizado com o propósito de estimular a leitura, suscitar a criatividade, a imaginação e a inteligência dos nossos alunos que, no geral, constituem um público para a literatura infantil.

Nossa meta é expandir informações acerca dos autores e das obras que compuseram e ainda hoje compõem a história da arte de escrever, promovendo, dessa forma, não só uma interação de intimidade entre o leitor e a história, como também uma contribuição para a sua formação intelectual.

A priori, estamos trabalhando um autor literário por bimestre. Nessas condições, a coordenação do projeto lança mão de um roteiro com sugestões de atividades para cada professor da Educação Infantil, de forma que esses se sintam motivados a interagir com seus alunos na pesquisa sobre a vida e a obra do autor que estiver em pauta.

Qualquer atividade pedagógica proposta no âmbito escolar depende, em parte, do interesse dos participantes. Ao nosso educador, garantimos assistência no processo de motivação, de aquisição de materiais que viabilizem a aplicação do projeto e de biografias e bibliografia que facilitem a busca.


Como funciona o Projeto

O Projeto inicia-se justamente dentro de uma casa maqueteada. O primeiro passo é estimular os alunos a desvendarem, juntamente com os seus professores, a identidade da foto do escritor apresentado.

Quem sou eu?

Depois de simuladas várias hipóteses sobre quem poderia vir a ser esse escritor, colocamos na casa uma pequena referência sobre a sua pessoa e o seu trabalho literário.

Muito prazer...

Agora começa a hora da pesquisa Autor e Obra. Como incentivo à aquisição desses novos conhecimentos, nós, da equipe de apoio, passamos em cada uma das salas fazendo a divulgação de um dos seus livros, lendo-o ou dramatizando-o.

Olha o que eu escrevi

Aqui, o professor listará com os seus alunos várias obras desse autor e escolherá com eles algumas histórias para serem lidas em sala.

Além dos livros apresentados e deixados em exposição na Casa, os alunos podem fazer uma pesquisa complementar extraclasse.

É interessante que os alunos conheçam pelo menos três obras do autor que estiver sendo estudado, cabendo ao professor escolher um ou mais livros para melhor interdisciplinarizar com os conteúdos do bimestre.


Atividades

• Dinâmica de grupo.
• Pesquisa.
• Jogos diversos com os personagens (de memória, escrita das letras do alfabeto, imagens e palavras).
• Atividades matemáticas.
• Desenhos dirigidos e espontâneos.
• Observação realizada através de situações-problema, seguida de relatório.
• Dobraduras.
• Máscaras, fantoches e dedoches.
• Músicas.
• Pinturas.
• Listagens.
• Dramatizações.
• Leituras diversas, promovendo a interdisciplinaridade.
• Escrita espontânea.
• Adivinhações usando como tema os personagens trabalhados no conto.
• Mímicas.
• Seqüência de figuras.
• Colagem.
• Informativos.
• Aulas externas.
• Baralhos criativos.

Culminância

O projeto de cada escritor é fechado com uma aula magna de forma que a escola inteira se faça presente, isto é, alunos, professores, servidores, coordenação e, inclusive, direção.

Não existe um modelo específico para essa culminância. A essa altura, já realizamos teatro de fantoches, dramatizações com o corpo docente.
Quadrilha com alunos caracterizados com os personagens do sítio.


Materiais didáticos/recursos

• CDs.
• Televisão/filmes.
• Sucatas.
• Internet/softwares.
• Tintas.
• Máquina fotográfica.
• Fantoches
• Papeis diversos
• Came
• Fita adesiva coloridas
• livros


Avaliação

Acontecerá através de observações feitas ao longo do desenvolvimento do projeto percebendo o envolvimento, participação e interesse dos alunos sobre as atividades propostas.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário