quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

MODELO RELATÓRIO DESCRITIVO DA PRÁTICA EM EDUCAÇÃO INFANTIL



RELATÓRIO DESCRITIVO DA PRÁTICA EM EDUCAÇÃO INFANTIL

1 INTRODUÇÃO
Neste relatório descreveu-se o estágio realizado no período de 01 a 24 de..de 2008, a partir das observações, da regência e da participação das atividades do............... , onde são atendidas crianças de dois anos a cinco anos de idade, divididas por faixa etária.
O estágio oportunizou presenciar a realidade da sala de aula, conhecer as características e a forma de organização de uma escola de educação infantil. Através da observação foi possível analisar e refletir sobre as ações presenciadas, baseadas em reflexões teóricas.
Os objetivos do Estágio Supervisionado são orientar os acadêmicos quanto à análise das práticas desenvolvidas pelo docente, desde a parte burocrática, às atividades culturais e ampliar os conhecimentos práticos, desenvolvendo assim suas competências, ou seja, suas capacidades de mobilizar recursos, saberes e vivências, para de forma eficaz solucionar problemas em diferentes contextos, preparando-os assim para atuar futuramente na vida profissional.
Os procedimentos metodológicos para a descrição das observações são:
• Identificação da Unidade Escolar.
• A organização do espaço e a realização da prática pedagógica neste espaço.
• Conhecer, interpretar e analisar as características sociais, econômicas e culturais do contexto escolar.
• Conhecer, interpretar e analisar a organização do tempo na educação Infantil e sua relação com o cuidar, o brincar e o educar.
O relatório divide-se em: Mapeamento, registro e análise da observação em sala de aula, relatório das atividades psicomotoras e lúdicas e planejamento.




2 RELATÓRIO DESCRITIVO DAS ATIVIDADES
A escola funciona de segunda à sexta-feira das 7 horas às 17 horas e tem capacidade para 90 alunos, segundo a direção, no momento conta com 87 alunos, e se dividem em 2 períodos, matutino e vespertino. Possui 1 Secretaria com Almoxarifado Próprio, 1 Sala para Orientação Pedagógica, 5 Salas de Aula (com mobília adequada aos alunos), 1 Banheiro para os Professores, 1 Sala de Pesquisa para os Professores, 2 Banheiros adaptados para a Educação Infantil, 2 Banheiros para o Ensino Fundamental, 1 Cantina (que serve somente como cozinha), 2 Áreas de Pátio com Parque Infantil, 1 Palco destinado a apresentações escolares e peças teatrais; 1 Bicicletário, 1 Almoxarifado para uso geral. Possui ainda equipamentos de cozinha (como fogões, freezer, geladeira, bebedouro, filtro e etc.), 2 Televisores com Antena, 1 Aparelho de DVD, 2 Computadores (conectados à internet) e 1 Impressora. A informática da escola se restringe somente ao administrativo e à parte pedagógica na confecção de atividades, projetos e avaliações. Todas as áreas da escola são utilizadas. A escola conta com 1 Diretor (Representante Legal da Escola); 1 Orientador Pedagógico, que atua na área pedagógica (planejamento e atendimento aos professores) e também faz um pouco do trabalho da Orientação Educacional atendendo alunos, pais e profissionais especializados no acompanhamento desses alunos; 2 Secretárias que tem a função administrativa (são responsáveis por toda a documentação da escola, alunos e professores); 9 Professores, que são responsáveis gerais pelas turmas (5 professores no matutino e 4 no vespertino); 4 Professores Auxiliares, que são ajudantes dos professores fixos e atuam nos 2 turnos; 1 Professor de Educação Física; 2 Serventes, para serviços de limpeza da escola; 2 Funcionários para serviços gerais e 1 Cozinheira. É um ambiente cooperativo, onde todos executam suas tarefas na mais perfeita harmonia.
A matrícula é efetuada pela própria diretora, mediante uma prévia entrevista com os pais ou responsáveis legais, que deverá apresentar os seguintes documentos: xérox da carteira de vacinação (que deve estar em dia), xérox da certidão de nascimento, xérox do RG e CPF dos pais ou responsáveis e comprovante de residência, os pais preenchem uma ficha onde constam dados importantes sobre a criança, telefones de contato, quem pode buscá-la e possíveis problemas de saúde. Para formalizar a matrícula é assinado o contrato de compromisso entre ambas as partes durante o período do ano letivo, são combinados o horário, necessidade do material didático e demais normas da instituição.
O educando é inserido em salas de acordo com sua idade, caso entre no decorrer do ano letivo a professora realiza um trabalho diferenciado com o aluno conforme sua idade.
A instituição tem como meta o desenvolvimento integral do educando, um processo que segue em etapas respeitando os limites e amadurecimento cognitivo de cada um em seus aspectos físico, psicológico, social e intelectual e conta com a ação da família e da comunidade. A proposta da escola é sóciointeracionista.
Segundo esclarece Craidy & Kaercher (2001), sobre qual o papel do profissional da escola infantil:
A perspectiva teórica do sociointeracionismo destaca o papel do adulto frente ao desenvolvimento infantil, cabendo-lhe proporcionar experiências diversificadas e enriquecedoras, a fim de que as crianças possam fortalecer sua auto-estima e desenvolver suas capacidades (p.31).
Os profissionais que atuam na unidade são formados ou estão em formação universitária.
A equipe tem um bom relacionamento. Segundo as docentes, a direção realiza reuniões pedagógicas constantes fora do horário de trabalho. Todas participam, opinam e discutem os assuntos, para se chegar a uma decisão em comum, as reuniões são coordenadas pela diretora da unidade. Como afirma Abramowiz e Waysyop (1999): “A organização de reuniões entre as profissionais ajuda a compreender melhor as atividades desenvolvidas e pode servir para discutir problemas trocar conhecimentos e estudar temas de interesses comuns”.
As reuniões com os pais ou responsáveis são realizadas por bimestre, onde são apresentados os trabalhos realizados e a avaliação do aluno, primeiramente são debatidos assuntos gerais, informações sobre a escola, a programação e por fim o professor conversa individualmente com cada responsável sobre a avaliação realizada com a criança. Os pais assinam uma lista de presença, quando necessário são chamados individualmente para conversar seja com a professora ou com a direção, quando envolvem assuntos administrativos.
A avaliação é realizada através de um processo contínuo e integral, no qual o desenvolvimento da criança é verificado em seus múltiplos aspectos e atividades.
Os trabalhos pedagógicos são realizados com base nos Referenciais Curriculares Nacionais de Educação Infantil do MEC (RCNEI/MEC), nas áreas de Formação Social e Pessoal e Conhecimento de Mundo, através dos eixos:
• Identidade e Autonomia
• Movimento
• Música
• Matemática
• Natureza e Sociedade
• Artes Visuais
• Linguagem Oral e Escrita
• Recreação (Educação Física)
• Ensino Religioso
2.1 A ORGANIZAÇÃO DO TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SUA RELAÇÃO COM O CUIDAR, O BRINCAR E O EDUCAR.
Com o estágio observou-se que a rotina é um movimento de organização de espaço e tempo, que se repete no cotidiano sempre da mesma forma, apenas com algumas mudanças nas atividades pedagógicas.
Como afirma Abramowiiz e Wayskop (1999, p.26) “a rotina orienta a ação da criança, assegura a ela o dia a dia, possibilitando que perceba e se situe na relação tempo-espaço, permitindo modificações, sem necessariamente cair na mesmice, no repetir sempre o mesmo”.
Assim, diversas atividades são desenvolvidas diariamente com as crianças, tais como: horário de chegada, guardar as mochilas no lugar, café da manhã, assistir TV e vídeo, utilizar o parque, brincadeiras com jogos de encaixe, atividades didáticas de coordenação motora, almoço, hora do banho, soninho, hora do lanche e a saída.
O dia começa ás 7h da manhã com a chegada de algumas crianças, as professoras recebem os alunos, eles aguardam a chegada dos demais. As 8h vão para a cozinha onde fazem à oração e tomam o café da manhã, que é variado todos os dias. Após o café, as crianças se encaminham a suas turmas.
As crianças assistem DVDs, com músicas infantis como Xuxa, Patati e Patatá, entre outros, num primeiro momento a professora confere as agendas dos alunos, a qual serve de comunicação entre escola e pais, verifica as anotações e separa o material de cada aluno. Em seguida vai ao parque com eles, onde correm pulam e brincam de faz de conta, como mamãe e filhinha, lobo mal, sobem e descem pelo escorregador, rodam no gira-gira. De acordo com, Abramawicz e Wajskop (1999, p.56) “Ao contrário do que se acredita, nenhuma criança nasce sabendo brincar! Os bebês têm de aprender a brincar com seus semelhantes, adultos, seus bonecos ou brinquedos.”. As brincadeiras são realizadas, tanto na área externa como interna.
Na volta à sala, brincam com peças de montar de diversos tamanhos e com um tapete que montam e desmontam várias vezes. As atividades didáticas acontecem respeitando o ritmo dos alunos. As crianças gostam muito de atividades de pintura, de desenhos livres, de arte em geral. Após a tarefa seguem a rotina de lavar as mãos e fazer a oração para o almoço. Assim que terminam a refeição fazem à higiene e voltam à sala para fazer o soninho (no caso das crianças menores), nesse momento a ajudante da professora fica com as crianças.
O currículo é flexível, capaz de atender às demandas de cada conteúdo da educação infantil.
Na escola existe a inclusão de crianças com necessidades especiais. Conforme afirma o Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil:
“A criança que conviver com a diversidade nas instituições educativas, poderá aprender muito com ela. Pelo lado das crianças que apresentam necessidades especiais, o convívio com as outras crianças se torna benéfico na medida em que representa uma inserção de fato no universo social e favorece o desenvolvimento e a aprendizagem, permitindo a formação de vínculos estimuladores, o confronto com a diferença e o trabalho com a própria dificuldade.” (RCNEI, vol. 1, 1998, p.35).
Observou-se que o planejamento das atividades na pré-escola constitui-se em um valioso recurso para que os objetivos sejam alcançados. Contudo, é um instrumento, nunca um fim em si mesmo.
Segundo Heineck (2001):
“Planejar faz parte do cotidiano do homem ao longo da história da humanidade. Planejava o homem das cavernas, em busca do sustento, do abrigo, da proteção. Planeja o homem da era virtual, para sobreviver num mundo massificado, repleto de modismos, prazeres, problemas, máquinas, inseguranças, individualismos, aspirações, satisfações e insatisfações, ciência, tecnologia, progresso, descoberta(...)” (HEINECK, 2001, p. 270).

O planejamento é um processo que se inicia com um momento de reflexão que leva os professores à tomada de decisões, desenvolvendo a autonomia do aluno e por fim define o procedimento a ser observado, registrado, planejado e avaliado.
Para completar com êxito o processo de planejamento, o professor registra o que foi realizado e da forma como se deu a realização das atividades, do ponto de vista individual, de cada aluno, e do ponto de vista coletivo, da turma como um todo. Este registro torna-se material riquíssimo nas mãos do professor e facilita a prática docente, proporcionando o acompanhamento das ações, a avaliação dos acertos e erros nas atividades e metodologias empregadas e possibilitando o replanejamento caso seja necessário.

3 CONSIDERAÇÕES FINAIS

O estágio proporcionou a oportunidade de vivenciar e aplicar na prática o conhecimento teórico adquirido na formação acadêmica, permitindo dessa maneira fazer uma análise critica e reflexiva sobre a Educação Infantil, baseada em pesquisas teóricas.
Durante o estágio observou-se o carinho e a dedicação dos profissionais com as crianças, e percebeu-se o quanto é importante para o desenvolvimento cognitivo de cada uma delas o respeito pela sua individualidade e o ambiente propício para a aprendizagem.
Com o estágio detectou-se as seguintes necessidades:
• Compreender as teorias psicológicas sobre o desenvolvimento infantil;
• Visualização crítica do aspecto lúdico da Educação Infantil;
• Valorização do contexto sócio-cultural na educação das crianças.
É vivenciando o dia a dia de uma escola que se percebe a ligação que há entre teoria e prática, e que diversas são as possibilidades para se discutir, avaliar ou propor padrões de qualidade na educação infantil. Conclui-se que, com base em tudo que se observou, é que muito precisa ser feito para que a escola pública de educação infantil ofereça melhores condições de atendimento. Há escolas e profissionais empenhados, que criam alternativas interessantes de trabalho, apesar da falta de investimento estatal e de todas as dificuldades enfrentadas. O compromisso profissional de cada educador é de fundamental importância. Para que ocorram ganhos qualitativos é preciso que existam ações generalizadas, ou seja, que todos os movimentos e reivindicações tenham um caráter coletivo, que pode ser entendido como um corpo formado também pela sociedade civil, em especial pelas famílias das crianças. Isso se torna extremamente importante uma vez que a história já mostrou que a participação é decisiva na conquista de direitos educacionais.




4 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABRAMOWIICZ, Anete; WAYKOP, Gisela. Educação Infantil Creches – Ativo de crianças de 0 a 6 anos. ed.Moderna.1999.
CRADY, Carmen; KAERCHER, Gladis. Educação Infantil. Pra que te quero? Porto Alegre, Artemed,2001.
BRASIL, MEC/SEF. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil: introdução. V. 1, Brasília, 1998.

HEINECK, Alba Maria Souza. O planejamento na educação infantil. In: ROMAN, Eurilda Dias; STEYER, Vivian Edite (orgs.). A criança de 0 a 6 anos e a educação infantil: um retrato multifacetado. 1. ed. Canoas: Ulbra, 2001.

MENEGOLA, Maximiliano; SANT’ANNA, Ilza Martins. Por que planejar? Como Planejar? 12. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

ZABALZA, Miguel A. trad. Beatriz Affonso Neves. Qualidade em Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed, 1998.

Um comentário:

  1. Amei o modelo de estagio...esta sendo de grande valia pra meu aperfeiçoamento no meu curso de pedagogia.Espero partilharmos mais conhecimentos.














    ResponderExcluir