sábado, 12 de dezembro de 2009

LEITURA DE IMAGEM ( OPERÁRIOS – Tarsila do Amaral)

LEITURA DE IMAGEM ( OPERÁRIOS – Tarsila do Amaral)
Qual o foco de interesse que será tratado na obra?
Opiniões sobre a obra a cerca da imagem
Roda de conversa: perguntas que levem a descrições da imagem ( deixar o aspecto interpretativo para depois.
Questões sugeridas:
a) O que você vê nesta imagem?
b) Qual parece ser o assunto principal desta imagem? Por quê?
c) O que os personagens estão fazendo?
d) Como eles estão vestidos?
e) Onde os personagens parecem estar?
f) Que hora do dia esta pintura parece representar?
g) Como podemos perceber isso?
h) Que elementos o artista utiliza para criar essa sensação? (climática)nuvens no céu
i) Quais são as cores predominantes na imagem?
j) Estas cores auxiliam na impressão de luminosidade conquistada pelo artista? Como?
k) O que as expressões dos rostos podem nos passar? Estão alegres, tristes, cansados...
l) O que aparece atrás dos personagens?
m) Com são construídas essas fabricas construída?
n) O que você imagina que é feito nessas fábricas?

DIALOGO INTERPRETATIVO: (respostas individuais dos alunos que podem nos auxiliar na nossa aproximação e compreensão da obra).
a) Quem parece ser o personagem principal?
b) Como estão representados os pés dos personagens?
c) Que tipo de trabalho ele parece fazer? Por quê?
d) O que ele esta fazendo nesse momento? O que , na imagem, o faz pensar assim?
e) Ele parece estar integrado ao ambiente que o circunda?
f) Que aspectos da imagem nos revelam isso?
g) Observando os prédios representadas ao fundo, podemos imaginar como ela seria por dentro?
h) Qual parece ser a ascendência ou origem étnica do personagem?
i) Que nome você daria ao personagem? Por quê?
j) E a obra? Por quê?

RESPOSTA POETICA: atualizar o persongem- símbolo a partir das discussões e conclusões da leitura da imagem.
a) Quem somos nós?
b) Se este personagem estivesse sentado á frente de um prédio de apartamentos na cidade? Nossas conclusões sobre ele seria os mesmos? Por quê?

A partir das respostas dadas a esta questão, investigue com seus alunos o valor que atribuímos á aparência das coisas e das pessoas, se preciso faça uso de propagandas de produtos comerciais como comparação. Desta forma, pode se encaminhar a discussão para conteúdos dos temas transversais dos PCS como cidadania e ética.

Questões acrescentadas por mim de acordo com a obra da Tarsila
a) De acordo com o quadro, há mais homens ou mulheres trabalhando nessas fabricas?
b) Todas as fábricas estão em funcionamento? Por quê?
c) O que você imagina que é feito nessas fabricas?
Dicas de trabalho:

 Atividade foi desencadeada a partir do estudo da obra “Operários”, de Tarsila do Amaral.
 Apresentação de uma reprodução da obra aos alunos

 análise da mesma, numa conversa informal, destacando aspectos que chamaram a atenção e estabelecendo idéias e hipóteses acerca dela.

 Durante o diálogo, questão das diversas etnias que compunham o quadro, direcionar a conversa para esse viés e assim tomarem consciência das etnias apresentadas na obra e refletir que a artista possivelmente representara ali a contribuição de todas elas na construção do país com seu trabalho duro e, na maioria das vezes, explorado pelos detentores do capital.

 Refletir sobre a importância de todas as etnias no contexto brasileiro e sobre como é tratada cada uma delas, questão indígena, no sentido de questionar o porquê desse povo, primeiros habitantes de nosso país, donos absolutos dessas terras antes da invasão dos portugueses, hoje se vêem relegados à acampamentos de beira de estrada, pequenas reservas ou até mesmo às ruas, onde tentam sobreviver a partir da venda de seu artesanato.

 A discriminação em relação aos negros também foi apontada como um problema, principalmente no que diz respeito ao emprego. Os negros sempre são preteridos e essa discriminação ocorre de forma tão velada que se torna impossível até a denúncia.


A pobreza dos tempos coloniais jamais levaria a imaginar a pujança e o dinamismo econômico, social e cultural, que são característicos de São Paulo. Quem construiu toda essa riqueza?
Em primeiro lugar, o que se poderia chamar de "espírito bandeirante" de São Paulo. O que é notável desde os primeiros tempos coloniais é que, num território inóspito, uma população escassa de colonos portugueses intensamente misturada a populações indígenas nativas e, mais tarde, aos escravos africanos - para formar este mundo de mamelucos, cafuzos e mulatos da capitania e depois província colonial - fosse capaz, movida pelo gosto da aventura e pela ambição, de sustentar um empreendimento de vulto e tão arrojado como a organização das "bandeiras", que resultariam na redefinição do território nacional em suas fronteiras atuais. É essa população cabocla, essencialmente mestiça, que manteve por três séculos a cultura tradicional paulista, a cultura "caipira" encontrada ainda no interior do Estado.
Mas engana-se quem vê nessa cultura uma forma de "atraso". Feita de lealdade mesclada a uma sossegada e manhosa astúcia, esta é uma cultura de homens e mulheres que sempre souberam tirar proveito das circunstâncias, como instrumento de sua própria sobrevivência, nas condições de penúria proverbial que sempre foram, até o século XIX, as da província paulista. É sobre essa cultura tradicional que vem se enxertar, na segunda metade do século XX, a imigração, que imprimiria à vida de São Paulo seu dinamismo insuperável.
Eles aqui foram acolhidos porque a província paulista necessitava de mão-de-obra para a lavoura cafeeira e, hoje, estima-se que São Paulo seja a terceira maior cidade italiana do mundo, a maior cidade japonesa fora do Japão, a terceira maior cidade libanesa fora do Líbano, a maior cidade portuguesa fora de Portugal e a maior cidade espanhola fora da Espanha

Um comentário:

  1. Você conseguiu identificar alguma figura importante compondo "discretamente" a tela?

    Tenho uma interpretação deveras interessante!

    E-mail me: nutels.me@hotmail.com

    ResponderExcluir