domingo, 1 de novembro de 2009

ESQUIZOFRENIA




ESQUIZOFRENIA

(Wagner Gattaz)


A esquizofrenia é uma doença psiquiátrica endógena que se caracteriza pela perda do contato com a realidade.

A pessoa pode ficar fechada em si mesma, com o olhar perdido, indiferente a tudo o que se passa ao redor ou, os exemplos mais clássicos, ter alucinações e delírios.

Ela ouve vozes que ninguém mais escuta e imagina estar sendo vítima de um complô diabólico tramado com o firme propósito de destruí-la.

Grosso modo, há dois tipos de sintomas: os produtivos e os negativos.

Os sintomas produtivos são, basicamente, os delírios e as alucinações.

O delírio se caracteriza por uma visão distorcida da realidade.

O mais comum, na esquizofrenia, é o delírio persecutório.
O indivíduo acredita que está sendo perseguido e observado por pessoas que tramam alguma coisa contra ele.

Imagina, por exemplo, que instalaram câmeras de vídeo em sua casa para descobrirem o que faz a fim de prejudicá-lo.
As alucinações caracterizam-se por uma percepção que ocorre independentemente de um estímulo externo. Por exemplo: o doente escuta vozes, em geral, as vozes dos perseguidores, que dão ordens e comentam o que ele faz.

São vozes imperativas que podem levá-lo ao suicídio, mandando que pule de um prédio ou de uma ponte.
Delírio e alucinações são sintomas produtivos que respondem mais rapidamente ao tratamento.
No outro extremo, estão os sintomas negativos da doença, mais resistentes ao tratamento, e que se caracterizam por diminuição dos impulsos e da vontade e por achatamento afetivo. Há a perda da capacidade de entrar em ressonância com o ambiente, de sentir alegria ou tristeza condizentes com a situação externa.


Não há argumento nem bom senso que a convença do contrário.
Antigamente, esses indivíduos eram colocados em sanatórios para loucos porque pouco se sabia a respeito da doença.

No entanto, nas últimas décadas, houve grande avanço no estudo e tratamento da esquizofrenia que, quanto mais precocemente for tratada, menos danos trará aos doentes.


Wagner Gattaz é médico psiquiatra e professor de psiquiatria no Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário